Banco do Brasil prejudica trabalhadores portuários em processo indenizatório - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





segunda-feira, 11 de julho de 2022

Banco do Brasil prejudica trabalhadores portuários em processo indenizatório




Entenda

Com a política de privatização dos portos no Brasil, muitos trabalhadores, antigos, puderam optar pela continuidade no trabalho ou pela indenização trabalhista, conforme Lei  8630/93. Com isso, muitos portuários camocinenses, que trabalhavam no Porto de Mucuripi, em Fortaleza, no ano 1998, optaram pela indenização e procederam com toda a burocracia, sendo que no ano de 1999, uma sentença judicial determinou ao Banco do Brasil que efetuasse, em 24h, o pagamento indenizatório dos portuários.


Os trabalhadores não receberam a indenização. 


Segundo o portuário camocinense Evandro Ferreira Gomes, no ano 2000, após ser questionado, via Justiça do Trabalho, "o Banco do Brasil informou  ter efetuado o pagamento, só não disse a quem".


Apurando a resposta dada pelo Banco, descobriu-se que folhas do processo indenizatório, contendo a relação dos trabalhadores a serem contemplados, segundo Evandro, teriam desaparecidos dificultando ainda mais o processo e consequentemente os trabalhadores.


"Qual interesse o banco tinha em mentir para a justiça?" , questionou o trabalhador, informando que uma ação tramita contra o Banco do Brasil por "crime contra os trabalhadores portuários, que pedem uma auditoria do banco".


"Até hoje não recebemos nenhum centavo. Os trabalhadores estão com um advogado e todas as provas estão a disposição da Justiça. QUEREMOS JUSTIÇA!", disse. 


No vídeo acima, em entrevista a uma emissora de TV cearense, Evandro explica detalhes do imbróglio.


Carlos Jardel