Emanoel e César Veras declaram ditadura da situação na Câmara de Vereadores de Camocim - Revista Camocim

















segunda-feira, 27 de setembro de 2021

Emanoel e César Veras declaram ditadura da situação na Câmara de Vereadores de Camocim



Por pura retaliação política, os vereadores Emanoel Vieira  e César Veras, ambos do PDT,  na Sessão Ordinária realizada na manhã desta segunda-feira (27), orientaram a bancada da Prefeita a votar contra todos os projetos e requerimentos da  oposição, pelo simples fato da mesma se posicionar contra a falta de transparência e participação popular nas matérias que necessitam de tais medidas. 



Hoje, por exemplo, sob o comando do Vieira, os vereadores da prefeita Betinha desaprovaram o Projeto de Indicação do Vereador Marcos Coelho (PSDB), que criava a Farmácia Itinerante Carente, que levaria medicamentos para a população da zona rural, evitando a necessidade dos moradores de se  deslocarem até à sede. Requerimentos do vereador Mário Roberto e Geomar Sotero também foram reprovados. 


Vieira e Veras instalaram a ditadura parlamentar após a abstenção da oposição  na votação do Plano Plurianual do Município, por considerar que a matéria requer ampla discussão com a sociedade mediante  audiência pública. A bancada governista é contra a participação popular e contra o Regimento Interno da Câmara, que assegura a participação do povo. 


Alfinetada


Sem nunca ter enviado um convite para os setores organizados da sociedade, o vereador Emanoel Viera alegou que a população não quer  sair de casa para discutir em audiência pública, porque está com medo do Coronavírus! Isso é uma afirmação mentirosa!, basta dar uma volta nas praias, lagos e nas igrejas  de Camocim,  nos  finais de semana, para verificar o quanto a população está com medo. 


Não Emanoel Vieira, a realidade é que a prefeita Betinha, a prefeita Monica, o deputado Sérgio Aguiar e todo o grupo Aguiar  tem medo de Audiência Pública assim como dizem ter medo da cruz o satanás. 


Você acerta quando diz que os vereadores representam o povo, mas erra terrivelmente quando acredita que essa representação por si só basta. Não basta. Esse tipo de representação é limitada. Sem falar que representa prioritariamente e cegamente os interesses políticos do grupo e não da sociedade, que se permite representar através de associações, sindicatos, movimentos, ONGs, igrejas e outros. E são a esses legítimos modos de organização que vocês dão as costas, rejeitam, discriminam covardemente. 


Já ia esquecendo: no discurso de implantação da ditadura parlamentar, Emanoel Vieira teve a coragem de afirmar que  a orientação dada aos membros de sua bancada era o "fazer politica..." Absurdo! Isso não é politica. É ditadura, pois extrapola até mesmo todos os níveis de politicagem barata e fedorenta. É usurpação do poder do povo. 




Carlos Jardel 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.