Caso César Veras: Polícia Civil elucida crime e inquérito é remetido à Justiça para prosseguimento da ação penal. - Revista Camocim

Clique na imagem e se inscreva no nosso canal


Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quinta-feira, 30 de maio de 2024

Caso César Veras: Polícia Civil elucida crime e inquérito é remetido à Justiça para prosseguimento da ação penal.

 


O assassinato do vereador de Camocim, César Araújo Veras, completou um mês ontem, 28 de maio. O crime que chocou a comunidade local e repercutiu em todo o Ceará, e até na imprensa nacional, teve sua investigação concluída duas semanas após o atentado ocorrido no interior do restaurante O Euclides.


O delegado responsável pela investigação, Eduardo Rocha, titular da Delegacia Regional de Polícia Civil de Camocim (DRPC), revelou em entrevista que o crime está elucidado, uma vez que a autoria, materialidade e motivação foram levantadas no inquérito policial.


O próximo passo, ainda segundo o delegado, após remessa ao judiciário, será a ação penal movida por intermédio do Ministério Público Estadual (MPCE).


Para Eduardo, o garçom Antônio Charlan Rocha Santos praticou homicídio doloso e tentou contra a vida de outras duas pessoas, o empresário Fábio Castro (cliente) e o dono do restaurante Euclides Oliveira (patrão).


O assassino agiu premeditadamente e escolheu seus alvos.


Em entrevista ao portal Metrópoles, o Delegado Eduardo afirmou que o crime foi motivado por assédio moral no trabalho e o garçom queria atingir pessoas ligadas ao patrão.


A sua conclusão considera o conteúdo pesquisado por Charlan em seu aparelho celular a partir da quebra do sigilo telefônico e os depoimentos colhidos.


Perguntado se a polícia havia encerrado o caso, o titular da DRPC afirmou que uma nova diligência somente sob requisição do poder judiciário.


O autor do crime, Charlan Rocha Sousa, permanece preso na Penitenciária Industrial de Sobral a disposição da justiça.


A defesa chegou a pedir um exame de incidente de insanidade mental do acusado, mas não chegou a ser analisado.


Camocim Portal de Notícias.