Caso Andréa: mãe que matou filha para ter a guarda do neto é presa - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




segunda-feira, 13 de maio de 2024

Caso Andréa: mãe que matou filha para ter a guarda do neto é presa


Foragida há 17 anos, a mãe que matou a filha para ficar com a guarda do neto em 2007, foi presa neste sábado (11), em Marilândia do Sul, no interior do Paraná. A captura de Tânia Djanira Melo Becker de Lorena, acusada de assassinar Andréa Rosa de Lorena, foi realizada pela Polícia Militar. As informações são do g1. 


"[Ela] não esboçou nenhum tipo de reação ao ver os policiais. Lhe foi perguntado se esta tinha ciência das denúncias contra ela [...] 'Lurdes' relatou que tinha ciência", disse o relatório da PM, que também informou que a acusada usava um nome falso. A suspeita teria matado a filha quando ela tinha 23 anos.


Na última quinta-feira (8), o caso foi exibido no Linha de Direta, da TV Globo. Tânia foi levada ao Sistema Prisional de Apucarana. 


A defesa de Juliano Saldanha, viúvo de Andréa, relatou que a família está aliviada com a prisão de Tânia. 


"Nesse momento, após tanto tempo do crime, a família encontra-se aliviada, esperando que a Tânia seja levada a julgamento com a devida condenação e a aplicação máxima da pena", disse Taís de Sá, em nota.


Cúmplice de Tânia, Everson Luiz Cilian irá a júri popular na próxima quarta-feira (15).


CRIME


Tânia de Lorena é acusada de assassinar a própria filha, com a ajuda do companheiro, para ficar com a guarda do neto, Lucas.


A vítima vivia em harmonia com a mãe e o filho, até sofrer um grave acidente de moto. Andréa passou a morar com o pai, Ivo, já que Tânia dizia não ter condições para cuidar dela. Na época, a avó não abria mão do neto, e, assim, começou uma briga pela guarda do garoto que teve um fim trágico.


Em meio a esse contexto, então, que o assassinato de Andréa começou a ser planejado. Tânia e o então companheiro, Everson Luiz Cilian, foram visitar a filha e tiveram um almoço em família, juntamente ao companheiro de Andréa, Juliano Saldanha. Porém, o rapaz precisou sair mais cedo para trabalhar.


Quando voltou, para estranhamento dele, encontrou apenas Tânia e Everson em casa, junto das crianças. A sogra disse que Andréa tinha saído com a irmã. Pouco depois, Everson começou a dizer que estava passando mal, e pediu a Juliano que o levasse ao hospital.


No local, Juliano começou a desconfiar do casal, e decidiu voltar para casa, mas quando chegou não encontrou os filhos e nem Tânia.


Então ele saiu em busca das crianças, mas não conseguiu encontrá-las — o que o levou a acionar a polícia. Iniciaram-se buscas pela mulher com as crianças, e também pela própria Andréa.


Entretanto, as autoridades não localizaram ninguém; foi o próprio Juliano que, quando arrumava a cama para dormir, descobriu o corpo da jovem escondido sob o móvel, com um fio enrolado no pescoço.


A polícia suspeita, desde então, que Tânia matou a própria filha, escondeu o corpo e levou as crianças consigo. Além disso, boatos de vizinhos alegavam que a mulher dizia que pretendia sequestrar o neto e vender a neta, mais nova, por cerca de R$ 2 mil.


Via Diário do Nordeste