Jijoca de Jericoacoara - Oposição mente sobre situação do turismo! - Revista Camocim

Clique na imagem e fale com a gente

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Financiamento a partir de R$160 mil.Venha conversar com a gente. Clique na imagem.


Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




segunda-feira, 8 de janeiro de 2024

Jijoca de Jericoacoara - Oposição mente sobre situação do turismo!



O grupo de oposição politica de Jijoca de Jericoacoara, visivelmente perdido e atrapalhado, sem fundamentação racional, dispara críticas para todos os lados, atingindo até mesmo o motor do desenvolvimento econômico do município e da própria região: o turismo! Sim, o grupo faz propaganda negativa do setor que, “nada mais, nada menos”, é o único do Ceará, e dos pouquíssimos do Nordeste Brasileiro, que aparece em destaque nacional e internacional pelas grandes empresas de turismo do mundo. 


O Leandro César, pré- candidato ao cargo de prefeito por um dos grupos de oposição, numa entrevista recente, afirmou, categoricamente que o turismo de Jijoca de Jericoacoara, “está enfrentando uma redução significativa ” e que “todos os setores estão pedindo socorro”. 



O pré-candidato, contrariando, inclusive, a Secretaria do Turismo do Governo do Estado, para sustentar sua tese, não apresentou, sequer, um dado oficial dos organismos que monitoram o setor no Ceará. E, logicamente, não teria como apresentar. Até porque os números são os melhores. 




Na festa de réveillon recente, por exemplo, a ocupação hoteleira alcançou 100% de sua capacidade, mantendo o número na primeira semana da alta estação do ano. Sem falar no aumento de empreendimentos do ramo na Vila.




Como pode, dessa forma, o turismo de Jericoacoara, na versão da oposição, se encontrar decadente, “pedindo socorro”? Ora, não passa de exagero e desonestidade intelectual dos propagadores da tese.


Problemas e reajustes em todos os setores, considerando, inclusive, fatores externos/globais, sempre irão existir. É da natureza de qualquer segmento público e privado. Agora, querer ativar um 'falso alarme', com fins meramente “politiqueiros”, tentando colocar 'chifres em cabeça de cobra', não é prudente. 


A criação de um factoide para destruir a imagem do motor gerador de emprego e renda do município, visando se promover politicamente, não é o caminho. E também não pode ser classificado como debate político, mas, sim, como “golpe baixo!”, principalmente quando não se apresenta — neste caso específico — uma leitura real dos fatores da conjuntura, que destoam da tese sem superfície da oposição, ou da oposição sem superfície.   


Carlos Jardel