Assaltos constantes no Interior de Camocim: população insegura e assustada! - Revista Camocim

Clique na imagem e se inscreva no nosso canal


Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quarta-feira, 26 de julho de 2023

Assaltos constantes no Interior de Camocim: população insegura e assustada!

 A gente não consegue mais andar na casa do vizinho, ficamos com as portas fechadas o dia todo, sem conseguir dormir direito".



Nos últimos meses as comunidades do interior de Camocim, principalmente as do distrito de Amarelas — Flamengas, Baixa Grande, Jatobá, Cupim e outras — passaram a ser vítimas da ação de assaltantes. Muitas ocorrências foram registradas. Os bandidos invadem residências, comércios e atuam nas estradas, levando motos, dinheiro e demais pertences de homens, mulheres e até mesmo de idosos. 


“ A policia vem, os policiais do Raio passam, mas não pegam essas pessoas [bandidos]”, relatou uma moradora do interior, aflita com a ação dos marginais.  A gente não consegue mais andar na casa do vizinho, ficamos com as portas fechadas o dia todo, sem conseguir dormir direito. A gente queria que a policia pegasse ao menos um, para ele descobrir quem são os outros, pra gente ficar mais tranquilo”, disse. 


A Policia Militar tem intensificado ações no interior para acabar com a onda de assaltos. E aqui cabe ressaltar que sua competência é o desenvolvimento do policiamento ostensivo e a preservação da ordem pública. A função investigativa de crimes, prioritariamente, é da Policia Civil, que, por sinal, tem encontrado dificuldades institucionais para bem desenvolver seu trabalho, acarretando assim problemas para a população. 


A segurança pública é direito da sociedade,  do cidadãos e é obrigação do Estado garantir que não falte.  No caso dos moradores do Interior de Camocim,  esse direito não está sendo garantido com a devida precisão.


É lógico que passa da hora das autoridades competentes encararem o problema como o problema exige.


Vamos acompanhar essa situação. 


Carlos Jardel