Câmara de Vereadores de Camocim perdeu o senso do ridículo - Revista Camocim

Se inscreva nosso canal no YouTube


Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




sexta-feira, 2 de junho de 2023

Câmara de Vereadores de Camocim perdeu o senso do ridículo

Quem assistiu as últimas Sessões Ordinárias da Câmara Municipal de Camocim não acredita no que ver.


O Presidente Emanoel Vieira (PDT), mesmo sendo um Vereador experiente, se perdeu em suas funções e se perdeu, mais ainda, na condução dos trabalhos no Plenário.


Veja só: tudo proposto pela bancada da situação, por mais absurdo e idiota que seja, é aprovado!


Por outro lado, o que a oposição propõe, ou é desaprovado, ou é ridicularizado ou é retirado de pauta, sem qualquer razão.


O Líder da Oposição, Vereador Marcos Coelho (PSDB), que tem o melhor desempenho parlamentar, vem sofrendo severo boicote: seus Projetos de lei e de indicação são barrados, seus requerimentos retirados de pauta e sua Palavra é constantemente cortada.


Hoje, o Vereador Marcos Coelho, após sofre mais uma violência política, disse que não apresentará mais nenhuma proposição e não fará mais nenhum pronunciamento, enquanto permanecer a perseguição a sua pessoa.


O Líder da Oposição estava visivelmente indignado e emocionado, em suas palavras, que disse serem as últimas, enquanto seu trabalho continuar sendo desconsiderado na Câmara Municipal; assista ao vídeo.



O Poder Legislativo Camocinense merecia melhor sorte, pois deveria ser a voz do povo, das suas dores, dos seus problemas e da busca, constante, das melhores soluções.


Uma Câmara Municipal que se preza, não tenta calar a oposição, ao contrário: estimula seu trabalho a favor da cidade e do interior, isso faz bem à democracia e à cidadania.


Dica do blogueiro: Presidente Emanoel Vieira, mude sua postura enquanto é tempo: autoritarismo e perseguição não combina com a essência do parlamento, que é uma casa de diferentes idéias, de pensamentos contrários e de adversários que se respeitam e respeitam especialmente ao povo.


Carlos Jardel