Chuva registrada em 24 horas no litoral norte de São Paulo é a maior da história do Brasil - Revista Camocim

Se inscreva nosso canal no YouTube


Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




terça-feira, 21 de fevereiro de 2023

Chuva registrada em 24 horas no litoral norte de São Paulo é a maior da história do Brasil



O volume de chuvas registrado no litoral norte de São Paulo nas últimas 24 horas é o maior da história do País. De acordo com dados do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) e do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o município de Bertioga teve 683mm de chuva em apenas um dia, um recorde nacional.


Os pluviômetros do Cemaden acompanham a situação meteorológica do país desde 2013. O recorde anterior do Inmet era de 1991, quando a cidade de Florianópolis registrou 404,8mm em 24 horas. Na tragédia de Petrópolis, em 2022, foram registrados 534,4 milímetro, segundo informou o G1.


O volume de chuvas registrado no litoral norte de São Paulo nas últimas 24 horas é o maior da história do País. De acordo com dados do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) e do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o município de Bertioga teve 683mm de chuva em apenas um dia, um recorde nacional.


ESTADO DE CALAMIDADE


As chuvas na região fizeram com que seis cidades decretassem estado de calamidade e luto oficial de três dias. Até às 19 horas desta segunda-feira (20), haviam sido registradas 40 mortes, sendo 39 em São Sebastião e 1 em Ubatuba.


O estado de São Paulo já está com 1.730 desalojados e 766 desabrigados. Em Bertioga, foram registrados alagamentos, queda de árvores e barreiras, falta de luz e a rodovia Rio-Santos ficou interditada.


O governo do estado divulgou nota lamentando a situação. "São Sebastião foi um dos municípios mais afetados neste feriado prolongado de carnaval, com deslizamentos de encostas, alagamentos e bairros isolados devido à interdição de vias de acesso. O número de mortos já supera a tragédia de Franco da Rocha, em 2022, com o deslizamento que matou 18 pessoas. O acumulado de chuva nessa oportunidade foi de 70 milímetros em 24 horas", afirmou.


Diário do Nordeste