Na região, Camocim mantém o maior lixão ao ar livre em área urbana. - Revista Camocim

Colégio Marujo, 15 anos! Na rota da educação!

Colégio Marujo, 15 anos! Na rota da educação!
Clique na imagem

Contato: (88)9 9937-1998

Contato: (88)9 9937-1998

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







quarta-feira, 25 de janeiro de 2023

Na região, Camocim mantém o maior lixão ao ar livre em área urbana.

A prefeitura não vai resolver o problema chamado o povo de mal é ducado. É preciso gestão! 


A Manchete parece ser exagero, mas não é. Não existe outra cidade na região que mantenha em perímetro urbano um lixão ao ar livre como Camocim. O antigo açude que separa os bairros Olinda e Brasília, logo na entrada da cidade, tornou-se o maior depósito de lixo e de cadáveres de animais.  


Por mais que se diga que a “a culpa é dos moradores” não se pode tirar a responsabilidade do poder público municipal, pois, no que lhe concerne, não pode minimizar a situação de grave risco ambiental e, principalmente, de saúde pública.  Isso sem falar no aspecto turístico da cidade. Também 


A prefeitura não vai resolver o problema chamado o povo de mal é ducado. É preciso gestão! Sim, problema é de gestão pública! O governo municipal não observou e nem observa o acelerado crescimento populacional dos bairros em questão. O crescimento urbano precisa ser acompanhado de ações e politicas públicas capazes de enfrentar os problemas da população impostos pelo tempo, principalmente nas regiões mais pobres. 


No caso do lixo: é comprovadamente insuficiente o tradicional serviço público de coleta, com os carros coletores em dias da semana. Esse serviço deu conta de uma realidade passada. Atualmente essa ação precisa ser reforçada com outras. É preciso, por exemplo, estimular na comunidade, inclusive nas escolas, uma nova cultura sobre o assunto. Não é nada fácil, precisando, por tanto, ser um trabalho focado, constante e estruturado em projetos. Precisa ser uma política pública, e não ações esporádicas ou sazonais. 


O que pode acontecer após essa postagem — e deve — é a prefeitura enviar ao local uma máquina para retirar o lixo, medida que não pode ser considerada uma 'grande ação' em prol da população, mas sim, apenas uma resposta velha para um problema novo.


É preciso olhar para o lixo acumulado sendo retirado por máquinas como a consequência da irresponsabilidade, negligencia, incompetência e má gestão do governo Aguiar, que se propôs a ser eficiente e moderno. 







Carlos Jardel