Guilherme de Pádua morreu na data em que, em 1995, estreou 'Explode Coração', de Gloria Perez - Revista Camocim

Colégio Marujo, 15 anos! Na rota da educação!

Colégio Marujo, 15 anos! Na rota da educação!
Clique na imagem

Contato: (88)9 9937-1998

Contato: (88)9 9937-1998

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







segunda-feira, 7 de novembro de 2022

Guilherme de Pádua morreu na data em que, em 1995, estreou 'Explode Coração', de Gloria Perez


A morte de Guilherme de Pádua neste domingo (6), aos 53 anos, chamou atenção da web por alguns detalhes. O assassino da atriz Daniella Perez sofreu um infarto fulminante na mesma data em que, em 1995, estreou "Explode Coração". A novela marcou o retorno de Glória Perez ao trabalho, após três anos do crime brutal que vitimou sua filha, em dezembro de 1992. 


O fato logo tomou conta do Twitter, com usuários fazendo referências não apenas à associação das datas, mas à causa da morte de Pádua. Isso porque o ex-ator, que era colega de elenco de Daniella na novela "De Corpo e Alma", assassinou a atriz com 18 tesouradas na região do coração. 


O folhetim, inclusive, se baseava em um transplante de coração a que era submetida a personagem de Cristiana Oliveira, outra coincidência que não passou despercebida nas redes sociais. 


MORTE DE DANIELLA PEREZ


O crime brutal que chocou o Brasil completa 30 anos no próximo dia 28 de dezembro. A repercussão sobre o caso, no entanto, foi retomada em julho passado, quando estreou na HBO Max a série documental "Pacto Brutal".


No lançamento da série, Pádua se queixou de não ter sido ouvido pela produção. Glória Perez havia pedido que nem ele, nem Paula Thomaz, sua ex-mulher e também condenada pelo crime, fossem ouvidos. A autora sempre apontou o não arrependimento por parte dos assassinos. Além disso, todas as vezes em que Pádua falou sobre o assunto, tentou colocar em Daniella alguma culpa na motivação do crime. 


PRISÃO DE GUILHERME DE PÁDUA


Guilherme de Pádua cumpriu 9 anos de prisão, do total de 19 a que foi condenado. Em 2017 ele se ordenou pastor da Igreja Batista, quando se casou de novo.


Diário do Nordeste