É falso que Bolsonaro teve 65% dos votos e que seu silêncio por 72h autoriza intervenção militar - Revista Camocim

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







quarta-feira, 2 de novembro de 2022

É falso que Bolsonaro teve 65% dos votos e que seu silêncio por 72h autoriza intervenção militar



Circula pelas redes sociais uma publicação afirmando que o presidente Jair Bolsonaro foi reeleito com 65% dos votos válidos. O post também diz que o artigo 142 da Constituição estabelece que são necessárias 72 horas de manifestações públicas, sem pronunciamento do presidente nesse período, para que ocorra uma intervenção militar.


 A informação é FALSA. No 2º turno, Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito presidente com 60.345.999 votos (50,90% dos votos válidos), enquanto Bolsonaro recebeu 58.206.354 votos (49,10%). Ao todo, 124.252.796 eleitores compareceram às urnas e 118.552.353 votos foram considerados válidos. O artigo 142 da Constituição Federal trata das atribuições das Forças Armadas na ordem constitucional e não dá poder moderador aos militares. Nenhum dos incisos e parágrafos do artigo 142 citam que são necessárias 72 horas de manifestações públicas para que as Forças Armadas promovam “intervenção militar". Também não é dito em nenhum ponto que o presidente da República deve permanecer em silêncio durante esse período.


ENTENDA: O resultado da disputa eleitoral entre os candidatos à presidência da República foi reconhecido pelo presidente do TSE, o ministro Alexandre de Moraes; pelo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira; pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco; e por lideranças de, pelo menos, 93 países. 


Em junho de 2020, a Secretaria-Geral da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados divulgou um parecer informando que o artigo 142 não autoriza uma intervenção militar a pretexto de “restaurar a ordem”. “Não existe país democrático do mundo em que o Direito tenha deixado às Forças Armadas a função de mediar conflitos entre os Poderes constitucionais ou de dar a última palavra sobre o significado do texto constitucional”, diz o documento.


Agência Lupa