Criança de 6 anos é enforcada por PM até desmaiar após dizer "Lula lá". - Revista Camocim

Postagem em destaque

Comunicado do Colégio Future: confirme sua matrícula até o dia 13 de dezembro.

Diante da grande demanda, aqueles que não confirmarem a matrícula poderão perder a vaga reservada. CONFIRMAÇÃO DE MATRÍCULA 2023 Pedimos a t...

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







sexta-feira, 4 de novembro de 2022

Criança de 6 anos é enforcada por PM até desmaiar após dizer "Lula lá".

 


Um policial reformado de 55 anos foi denunciado por enforcar uma criança de apenas 6 anos de idade depois que ela cantou um jingle do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em Divinópolis, Minas Gerais. O caso ocorreu no domingo (30), mas só ganhou repercussão na quinta-feira (3).


A mãe do menino registrou boletim de ocorrência e ele foi encaminhado para a Unidade de Pronto Atendimento Padre Roberto (UPA). A criança passou por exames e em seguida foi liberada.


A mãe disse que foi buscar o filho na casa do pai dele e, ao perceber os hematomas no pescoço da criança, questionou o que tinha acontecido. “Meu filho foi com o pai na padaria buscar um lanche e um policial enforcou ele, deixando ele sem ar, até quase desmaiar”, contou a mulher.


O pai da criança reagiu e o policial soltou o menino, que caiu quase desacordado no chão. O PM reformado cometeu a agressão porque a criança manifestou apoio a Lula.


"Meu filho conta que as pessoas na padaria estavam discutindo sobre Lula e Bolsonaro. Meu filho, na inocência, disse que era Lula e cantou o jingle [do presidente eleito]. Não sei se foi o jeito que meu filho falou, mas o autor agrediu ele brutalmente deixando meu filho sem ar. Nada justifica”, disse.


A mãe afirmou que, desde então, o menino mudou de comportamento, está assustado, com medo de sair de casa e tendo pesadelos constantes. “É muita revolta, por que o agressor nem na delegacia foi. Ele alegou que era um policial e nada aconteceria com ele. Meu filho está com trauma, não dorme e quando dorme acorda gritando, pedindo ajuda dizendo que está sem ar”, desabafou.


A Polícia Militar informou que foi até a casa do agressor na noite do crime, mas não conseguiu localizá-lo. A corporação disse que, assim que acionada, “de imediato, os policiais prestaram assistência à criança e a conduziram para o atendimento médico”.


"As equipes se deslocaram até a residência do autor com o escopo de adotar as providências, porém, este não se apresentou para contar sua versão. O registro foi encerrado e entregue à Delegacia de Polícia Civil, tendo em vista o suposto fato se tratar de crime de competência da Justiça Comum”, concluiu.


A Polícia Civil disse que abriu um inquérito para investigar o caso. Até a publicação desse texto, o nome do PM não foi divulgado


via Pragmatismo