Bolsonaristas acabam com missa e agridem jornalistas no templo de Aparecida - Revista Camocim

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

26 de novembro: Show do Hungria em Camocim no Ilha Park

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







quinta-feira, 13 de outubro de 2022

Bolsonaristas acabam com missa e agridem jornalistas no templo de Aparecida


Um cinegrafista e uma repórter da TV Vanguarda, afiliada da Rede Globo, foram hostilizados por bolsonaristas com outros colegas de imprensa enquanto cobriam a passagem de Jair Bolsonaro (PL) por Aparecida (SP) nesta quarta-feira, 12.


A equipe fazia imagens em frente a Basílica Histórica, no centro da cidade, quando a confusão começou. Um homem, vestido com uma camiseta contra o atual presidente, passou ao lado da equipe, causando uma reação entre os apoiadores.


Então, os jornalistas que estavam próximos da confusão passaram a ser agredidos verbalmente e sofreram empurrões e pancadas. A confusão foi transmitida ao vivo pela CNN.


De acordo com a jornalista Daniele Lopes, da TV Vanguarda, no momento em que estavam na procissão, os apoiadores de Bolsonaro começaram a chamar a equipe de “comunista” e “Globo Lixo”, ao identificar o veículo de comunicação. Ela ainda afirmou que alguns tentaram agredir o cinegrafista. 


“Algumas pessoas tentaram agredi-lo fisicamente. Como eu estava sem microfone na hora, eu fiquei meio atrás. Poucas pessoas me reconheceram, até que um rapaz me reconheceu, e começou a mandar a gente sair de lá, mandou a gente voltar para São José, que a TV Aparecida já tem a própria TV. Ficou mandando a gente sair”, relata. 


A equipe foi escoltada pelo segurança que a acompanhava. “A Polícia não saiu do lugar, e tinha um pessoal [policiais] ali do lado. Cercaram a gente, o segurança começou a gritar e a gente conseguiu sair”, relembra Daniele, que afirma ter começado a gravar o ataque como forma de defesa. 


“A gente vem passando por isso há muito tempo, mas não em um lugar com uma quantidade tão grande de gente como estava. Eu fiquei muito assustada. Tanto que eu comecei a gravar como uma forma de defesa. Estou muito assustada”, revelou.


Terra