A cidade do Barro, no Ceará, registra a maior temperatura máxima dos últimos 50 anos. - Revista Camocim

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

26 de novembro: Show do Hungria em Camocim no Ilha Park

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







sexta-feira, 14 de outubro de 2022

A cidade do Barro, no Ceará, registra a maior temperatura máxima dos últimos 50 anos.


A percepção pública de que os termômetros têm atingido índices escaldantes no Ceará nos últimos dias é endossado pelos órgãos meteorológicos. O Diário do Nordeste cruzou dados levantados pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), a pedido da reportagem, com dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), e identificou que a cidade do Barro, no Sul do Estado, registrou a maior máxima para outubro do Brasil.


No último sábado, dia 8, os termômetros no município barrense marcaram impressionantes 41,7 graus Celsius. A sensação térmica se aproximou dos 45 graus, índice próximo aos verificados em países africanos, como Gana (43,3ºC) e Zambia (42,2ºC). Naquela data, nenhuma outra das 5.565 cidades do País marcou temperatura tão alta.


Este índice também configura-se em recorde no Estado. Nas últimas 5 décadas - marco temporal em que a Funceme foi criada e começou a monitorar os mais variados indicadores pluviométricos - essa foi a maior máxima registrada. Em 50 anos, a temperatura que mais se aproximou da registrada no último sábado (8) foi em 25 de outubro do ano passado, quando, também em Barro, o órgão anotou 41,6ºC.


Onda de calor no Ceará


A cidade do Barro, no Sul do Estado, registrou a maior temperatura máxima para outubro dos últimos 50 anos. Este também foi o maior índice do mês em todo o País. Já última década, apenas 3 vezes os termômetros romperam a marca dos 40 graus no Ceará, todas elas na cidade barrense.


A meteorologista do Inmet, Morgana Almeida, explica que essa onda de calor sentida nas últimas semanas advém da combinação de dois fatores: a ausência de nuvens - característica presente nesta época do ano - somada à "maior disponibilidade de energia solar" neste período do ano. 


O também meteorologista Agustinho Brito, da Funceme, explica que redução dessas nuvens deve-se "a diminuição da umidade na atmosfera".


Desta forma, acrescenta o especialista, "a radiação solar chega com maior facilidade na superfície, corroborando para o aumento da temperatura do ar". Outubro, ainda segundo Brito, é o mês do ano em que o estado do Ceará recebe o maior volume de radiação solar. 


CALOR E BAIXA UMIDADE 


Essa onda de calor que tem atingido o Ceará de forma quase uniforme não deve dar trégua. A previsão é de que as altas temperaturas prossigam até o fim do ano. "As temperaturas máximas tendem a ser observadas principalmente no período da tarde", acrescenta Agustinho.


Diário do Nordeste