Merecido! Padre muda cor da histórica Igreja do Parazinho e é criticado por fiéis e populares. - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos








terça-feira, 6 de setembro de 2022

Merecido! Padre muda cor da histórica Igreja do Parazinho e é criticado por fiéis e populares.

O padre da Paróquia do Parazinho, município de Granja, Antônio Kelton, mudou para a cor amarelo os  adornos da histórica Igreja Matriz de Nossa Senhora do Livramento e gerou polêmica na comunidade.


A cor original,  segundo fiéis, historiadores e agentes da cultura, era branco e azul, cor do manto de 'Nossa Senhora'.  


Nas redes sociais gerou-se um debate com críticas direcionadas ao pároco,  que não consultou a comunidade.


"Ainda tenho esperança de alcançar essa Igreja retornar a sua cor original, azul e branco, conforme construímos, toda a minha geração, a nossa identidade o nosso sentimento de pertença com este templo; e em harmonia com o projeto inaugural do Arquiteto italiano Agostinho Balmes Odísio, discípulo de Rodin, encomendado pelo saudoso Monsenhor Vitorino de Oliveira, inaugurada pelo grande D. José Tupinambá da Frota, bispo de Sobral, diocese a que pertencíamos à época".  Comentou Maria Ximenes em seu perfil no Facebook lamentando a modificação. 


Outros internautas interagiram. Veja AQUI


Alfinetada 


Quando a comunidade não tem consciência de sua participação na Igreja, o padre deita e rola, pinta e borda e fica tudo bem, porque, neste caso, constata-se a naturalizacão do autoritarismo clerical, que sempre recorre ao direito canônico para justificar tal postura...


Pois bem: o padre Kelton errou ao modificar a cor da Igreja observando apenas o seu gosto e o poder de pároco.  Aliás: o padre sempre erra quando age dessa forma.


Os tempos não são mais os de "Trento". A contemporaneidade não permite mais o entendimento "Roma falou causa finita". Definitivamente, Não!


O padre, financiado pelo povo, precisa ser, no minimo, dialógico e democrático para não ser autoritário e se sentir proprietário do patrimônio religioso. Precisa abrir mão da sensação de soberania. 


A regra é: ouvir a população antes de fazer besteira, como essa, na pintura da Matriz do Parazinho. 


Carlos Jardel