Monica Aguiar, cunhada e prima são investigadas por desvios no Consórcio de Saúde de Camocim - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





segunda-feira, 25 de julho de 2022

Monica Aguiar, cunhada e prima são investigadas por desvios no Consórcio de Saúde de Camocim



Sobre o Consórcio Público de Saúde da Microrregião de Camocim, a verdade é que a ex-prefeita Monica Aguiar,  e as ex-diretoras Geova Aguiar e Elizabeth Gomes estão sob investigação,  além de Galenicia Carvalho.


A saber: Geovana é cunhada de Monica, irmã de Sérgio Aguiar, e  Elizabeth Gomes é prima da ex-prefeita. 


A denúncia assinada pelos municípios Granja, Martinópole, Chaval e Barroquinha, em janeiro de 2020, atesta que nos anos de 2014 e 2015 foram registrados tão somente atendimentos ao município de Camocim, no que se refere aos exames de ressonância e tomografia contratados e realizados pela empresa Boghos, e que no ano eleitoral de 2016 houve um aumento gigantesco e vergonhoso de exames direcionados quase que exclusivamente ao município de Camocim, já que dos 1532 exames, apenas 12 foram registrados ao município de Granja, ficando os municípios de Martinópole, Chaval e Barroquinha praticamente desassistidos à época.


Nesse sentido, portanto, por 3 anos consecutivos (2014 a 2016), época em que o município de Camocim através da ex-prefeita Monica Aguiar presidia o CPSMCAM, o contrato com a Boghos para a oferta de serviços de exames de ressonância e tomografia beneficiou quase que na totalidade apenas um único município, prejudicando os demais entes integrantes da Autarquia de Saúde. E o que causa maior perplexidade e indignação é o fato do aumento escancarado de exames que beneficiaram eleitoralmente a ex-gestora no ano de 2016.


Além dessas constatações, a denúncia apresentou ilegalidades no pagamento de diárias e adicional de insalubridade sem amparo normativo. Tudo encontra-se sob investigação, principalmente, porque a defesa dos representados confirmou o beneficiamento indevido do município de Camocim nos anos de 2014 a 2016, inclusive, com o número de exames no ano eleitoral de 2016 que praticamente triplicaram em benefício da gestão de Camocim em prejuízo aos outros municípios consorciados.


Só exemplificativamente, utilizando-se dos próprios números da defesa dos denunciados, se constata comparativamente que o município de Camocim foi beneficiado com 1650 exames, enquanto que, em tese, o município de Granja, Barroquinha, Chaval e Martinópole tiveram apenas 259, 246, 125 e 95 exames cada, respectivamente.


Carlos Jardel