Suspeito de matar Dom e Bruno revela ter esquartejado e incinerado corpos - Revista Camocim



Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





quinta-feira, 16 de junho de 2022

Suspeito de matar Dom e Bruno revela ter esquartejado e incinerado corpos



Um dos suspeitos de matar o jornalista inglês Dom Phillips e o indigenista brasileiro Bruno Pereira, Oseney da Costa de Oliveira, 41, confessou ter assassinado e esquartejado a dupla. As informações são da emissora Band News.


Oseney é o segundo preso por suspeita de envolvimento no crime, e assumiu à Polícia Federal (PF) que Dom e Bruno foram executados, esquartejados, incinerados e tiveram os restos mortais jogados em uma vala no Amazonas, segundo apurou a TV.


Já segundo a rede CNN Brasil, fontes da PF revelaram, ainda, que Amarildo da Costa de Oliveira, primeiro suspeito detido, também confessou participação na morte do jornalista e do indigenista, confirmando relação com as denúncias deles sobre pesca ilegal na região.


Os restos mortais encontrados na área de buscas por Dom e Bruno devem chegar a Brasília na noite desta quinta-feira (16), onde passarão por perícia para confirmar a identidade das vítimas, segundo informou o g1.


ENTENDA O CASO


Bruno Pereira e Dom Phillips estão desaparecidos desde o último dia 5 de junho, quando faziam o trajeto entre a comunidade ribeirinha São Rafael e a cidade de Atalaia do Norte, no Vale do Javari, Amazônia.


A viagem costuma durar apenas 2 horas, mas eles nunca chegaram. Após horas sem contato, uma equipe da União das Organizações Indígenas do Vale do Javari (Univaja) formada por indígenas conhecedores da região que trabalhavam com Bruno partiu em busca dos dois, mas sem sucesso.


A Univaja e o Observatório de Direitos Humanos dos Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato (OPI) disseram, em nota, que os homens "receberam ameaças em campo na semana em que desapareceram".


Os grupos não forneceram mais detalhes, mas Bruno Pereira, especialista da Fundação Nacional do Índio (Funai), com profundo conhecimento da região, recebia regularmente ameaças de madeireiros e garimpeiros que tentam invadir ilegalmente as terras das comunidades indígenas. 


Diário do Nordeste