Gabriel Monteiro assume ter oferecido dinheiro para pessoa em situação de rua cometer crime - Revista Camocim



Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





quarta-feira, 22 de junho de 2022

Gabriel Monteiro assume ter oferecido dinheiro para pessoa em situação de rua cometer crime

O vereador Gabriel Monteiro (PL) confirmou, nessa terça-feira (21), que ofereceu dinheiro para uma pessoa em situação de rua praticasse um crime na Lapa, Rio de Janeiro. "Paguei sim", disse o político aos jornalistas, mas, segundo ele, a ocasião se tratava de um experimento social, uma campanha contra o feminicídio. A informação é do O Globo. 


A declaração aconteceu no mesmo dia em que o delegado Luis Maurício Armond, da 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes) e o policial militar Pablo Foligno prestaram depoimento na Comissão de Ética da Câmara Municipal do Rio, no processo contra o parlamentar. 


O titular da Polícia Civil, convocado pela defesa de Gabriel Monteiro, explicou que um dos crimes que ele está sendo investigado é o de exposição de pessoas em estado de vulnerabilidade. Segundo ele, conforme a lei, forjar um crime é ilegal, independente de ser ou não um experimento.  


"A simulação tudo bem, mas a exposição é real. Está se simulando uma situação, mas nem todos os personagens, pelo que está sendo apurado, estariam cientes disso. Então não seria só uma encenação, teria a possibilidade de acontecimentos imprevisíveis. O risco é real", detalhou aos jornalistas. 


VEREADOR DEVE SER INDICIADO POR CRIME SEXUAL 

Conforme Armond, Gabriel Monteiro sabia estar gravando uma relação sexual com uma menor de idade. O inquérito que trata sobre o assunto deve indicar a prática de suposto crime sexual, conforme o relator do caso, vereador Chico Alencar (PSOL). 


Segundo o relator do caso, que pode levar à cassação de Gabriel Monteiro, outras investigações por suposto peculato, coação e uma apuração preliminar por estupro estão em andamento. 


"Há ainda outras investigações em curso sobre constrangimento de menores, coação de testemunhas, suborno, peculato e investigação preliminar, porque ainda faltam as testemunhas na sede do inquérito, de estupro. É um cenário com alguns elementos probatórios substantivos, disse o delegado. As perícias estão em andamento", afirmou.


O vereador responde por supostos crimes de estupro, assédio e de manipulação de vídeos nas redes sociais.


Após prestar depoimento por cerca de duas horas, Luis Armond afirmou que as investigações devem ser concluídas em até 30 dias: "Já houve o indiciamento com relação a filmagem de uma menor. Com relação aos outros fatos, ainda estão sendo avaliadas as provas e o contexto fático. Está sendo apurado a exposição de pessoas em vulnerabilidade, coação no curso do processo, peculato, em relação a utilização de servidores em funções diferentes do que deveriam ter", afirmou.


A defesa do vereador, representada pelo advogado Gabriel Lima, diz que a jovem filmada em uma relação sexual com o vereador "sempre disse" para o parlamentar que tinha 18 anos na época do relacionamento dos dois.


"O depoimento foi conciso no sentido de afirmar que o depoimento da menor foi colhido dentro do que determina a lei. A declaração, contida no depoimento dela, em que ela afirma que sempre disse ao vereador Gabriel Monteiro que tinha 18 anos. Isso foi uma colocação dela. A autoridade policial afirma ainda que as investigações em curso foram feitas com base nas acusações de ex-assessores que desde o inicio vem fazendo as mesmas acusações", disse.


Diário do Nordeste