Prefeitura de Camocim fecha e abandona escolas no interior do município. - Revista Camocim



Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Para mais mais informações, clique na imagem





sexta-feira, 1 de abril de 2022

Prefeitura de Camocim fecha e abandona escolas no interior do município.





No interior de Camocim, a escola Salvino Rodrigues de Lima, na comunidade Córrego de Dentro, e cerca de mais 10 escolas em outras localidades foram fechadas e abandonadas pela prefeitura de Camocim. 


No momento os prédios estão servindo de moradia para morcegos, insetos e animais que pastam na região. 


Se no momento não é possível atender alunos, os prédios  poderiam ser aproveitados pela comunidade, como espaços de atividades culturais e até mesmo como apoio para ações da saúde pública.


O que não pode ocorrer é que o dinheiro sofrido do povo tenha o triste destino que se visualiza nas imagens postadas aqui. 



Mas vamos  entender a demagogia Aguiar. 


Naturalmente a pouca demanda de alunos em algumas localidades torna inviável o mantimento de certas escolas, que foram planejadas e construídas num passado em que o governo municipal, no tocante ao desenvolvimento da educação, tinha zero de perspectiva de futuro, pois o critério era simplesmente eleitoreiro e não técnico: "vamos construir escolas para agradar eleitores e conquistar votos". Neste sentido, relata-se que tinham escolas com mais servidores contratados do que alunos em sala de aula.  Ou seja, ele criava estruturas para empregar seus soldados de campanha. 


Basta olhar o tamanho de muitas escolas cubículos, construídas por Sérgio [e queira Deus não tenham sido obras superfaturadas], erguidas para serem fechadas e destruídas pelo tempo em muitas comunidades, porque a intenção, repito: era conquistar votos, e não educar pessoas. 


Há quem diga: "naquele momento a medida atendeu as necessidades impostas pelo tempo". Mas também há controversas! Principalmente quando se observa hoje que muitas comunidades não careciam de uma escola local, mas sim de uma região capaz de manter uma escola agreadora e mais bem estruturada. Precisava-se de educação qualificada, com gestores técnicos, e não de paliativos eleitoreiros. 


Quando fora da prefeitura, Sérgio criticou severamente o governo Chico Vaulino quanto ao fechamento de escolas em algumas comunidades. Ressalta-se: as escolas foram fechadas por que não existia demanda de alunos que justificasse a despesa, porém esses alunos não ficaram desassistidos, pelo contrário, passaram a receber melhor atendimento da educação das escolas mais estruturadas das respectivas regiões.  


Mas Sérgio, demagogo que é, insistia na crítica leviana: "não se fecha escolas. Eu abri escolas e blá blá blá..." No entanto, bastou ele voltar ao poder, através de sua esposa, Monica Aguiar, para comer o próprio vômito, fechando e abandonando escolas. 


A atual prefeita, Betinha dos Aguiar, que, antes de ser o que é, foi secretária municipal da educação do governo Monica, continua fechando escolas e deixando-as a mercê do descaso. 




Fotos da Escola Salvino Rodrigues de Lima 






Fotos e vídeos da Escola de Ensino Fundamental Santa Luzia