Terra na farofa do Jaime Veras: Justiça barra nova eleição de Consórcio de Saúde - Revista Camocim

Postagem em destaque

Comunicado do Colégio Future: confirme sua matrícula até o dia 13 de dezembro.

Diante da grande demanda, aqueles que não confirmarem a matrícula poderão perder a vaga reservada. CONFIRMAÇÃO DE MATRÍCULA 2023 Pedimos a t...

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







quinta-feira, 31 de março de 2022

Terra na farofa do Jaime Veras: Justiça barra nova eleição de Consórcio de Saúde



A desembargadora Maria Vilauba Fausto Lopes, da Terceira Câmara do Direito Público, do Tribunal de Justiça do Ceará, determinou a suspensão de uma nova eleição para a Presidência do Consórcio Público de Saúde da Microrregião de Camocim, agenda de forma extraordinária para hoje, 31 de março.


A decisão da magistrada atende o pedido da prefeita de Granja, Juliana Aldigueri, e do prefeito de Chaval, Sebastião Sotero, respectivos presidente e vice-presidente do Consórcio. Eles sustentam não haver  "fundamentação jurídica que autorize a realização da referida eleição". 


Entenda


O prefeito Jaime Veras, inconformado por não ter sido eleito presidente do Consórcio, acomunado com a prefeita de Camocim, Betinha Aguiar, e com o de Martinópole, Betão do James Bel, ingressou com uma Ação na Justiça, alegando irregularidades na eleição que escolheu o prefeito Sebastião e a prefeita Juliana como presidentes.


Um juiz substituo, de primeiro grau, da Comarca de Camocim, concedeu uma liminar determinando prazo para a nova eleição. A liminar foi derrubada hoje.


Alfinetada


Jaime Veras  não administra exemplarmente a saúde pública de Barroquinha, mas pretende tomar de conta da Policlínica e do Ceo Regional. Como uma raposa louca para vigiar o galinheiro, ele almeja ampliar seu desastre como gestor da coisa pública presidindo um importante equipamento da saúde pública regional. 


Isso sem falar que sua chegada ao cargo de presidente do Consórcio acarretaria demissão de todos os funcionários.


Hoje, deixando-o com cara de tacho, a desembargadora, para o bem da Justiça,  jogou "terra na farofa dele". 


Jaime Veras já está virando fregues da Justiça: não ganha nada! Nem poderia, age sempre de forma errada.


Quem também já estava esgravatando os dentes e poluindo a careca, era o deputado estadual Sérgio Aguiar, patrão do Jaime e principal interessado no Consórcio. Outro mau exemplo em gestão de saúde pública.  Ele também encheu a boca com terra e farinha! 


Carlos Jardel