Senador Sá - morador tem obra destruída por servidores da prefeitura, é ameaçado de morte e ainda recebe tijolada - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos




Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733

Barraca Mergulhe: Contato/WhatsApp: (88) 9 9260 4733





quarta-feira, 14 de julho de 2021

Senador Sá - morador tem obra destruída por servidores da prefeitura, é ameaçado de morte e ainda recebe tijolada

 


Em Senador Sá, um trabalhador, pai de família, identificado com o nome de Francisco, conhecido popularmente como Chico Piaba, disse ter sido vitima de servidores do governo municipal - Neto Gololó, Laerte, e Wanderson -  que derrubaram parte da construção de ampliação de sua residência, num episódio tipico do "coronelismo",  recheado de ameças, agressões verbais e até mesmo tentativa de agressão física. 


De acordo com o senhor Chico, o servidor da prefeitura, Neto, teria chegado "já no ponto de briga", derrubando a obra com o pé  e acusando o chefe de família de apropriação ilegal do terreno. 


O dono da construção disse ainda ter sido surpreendido por uma "tijolada", arremessada pelo servidor  Wanderson, que por pouco não atingiu sua cabeça.  "Escutei a tijolada e me abaixei", disse o dono da construção, que também relatou ter sofrido ameaça de morte a bala. 


Após a confusão, os três servidores da prefeitura retornaram com uma viatura policial para prender o senhor Francisco.


De acordo com o blogueiro Marlon Silva, que divulgou o relato do idoso AQUI,  episódios dessa natureza vem ocorrendo com frequência em Senador Sá. Ele reforçou a tese de coronelismo no município.  E, sem citar nomes,  disse  acreditar que existe um mandante. 


"A atual gestão pregava na campanha que iria acabar com os maus-tratos e o coronelismo. Confira o que aconteceu com um pai de família...Quase termina em tragédia...", disse o comunicador em postagem no Facebook. 


Na reportagem, o blogueiro ainda identificou outras construções na vizinhança, que  teriam sido feitas de forma supostamente  irregular, mas que receberam "vista grossa" da prefeitura pelo fato de serem  de apoiadores do prefeito Bel Júnior. 


Carlos Jardel