Após três anos falando em 'fraudes eleitorais', Bolsonaro faz live com notícias falsas e admite não ter provas das acusações - Revista Camocim















quinta-feira, 29 de julho de 2021

Após três anos falando em 'fraudes eleitorais', Bolsonaro faz live com notícias falsas e admite não ter provas das acusações



O presidente Jair Bolsonaro admitiu, em live nesta quinta-feira (29), que não tem provas para afirmar que haja risco de fraude no sistema atual de urnas eletrônicas – ou que as últimas eleições realizadas no país tenham sido fraudadas.


Bolsonaro convocou veículos de imprensa e usou a emissora pública de televisão para uma transmissão em tempo real na qual, segundo anunciou, seriam mostradas "provas" das fraudes.


O presidente e um "especialista" – identificado apenas como "Eduardo, coronel do Exército e analista de inteligência" – falaram por mais de duas horas. Mas, em vez de provas, apresentaram uma série de notícias inverídicas e vídeos que já foram desmentidos diversas vezes por órgãos oficiais.


"Os que me acusam de não apresentar provas, eu devolvo a acusação. Apresente provas de que ele não é fraudável", declarou Bolsonaro em determinado momento.

"Não tem como se comprovar que as eleições não foram ou foram fraudadas", disse, minutos depois.

"Não temos provas, vou deixar bem claro, mas indícios que eleições para senadores e deputados podem ocorrer a mesma coisa. Por que não?", apontou em um terceiro momento.

Uso de notícias falsas

O G1 e a TV Globo questionaram a Secretaria de Comunicação do governo sobre a identidade do analista Eduardo. A equipe de Bolsonaro disse não saber o nome completo e o cargo do "especialista", que ficou sentado ao lado do presidente durante as mais de duas horas de transmissão.


Ao iniciar a apresentação, Eduardo afirmou que mostraria "fatos, acontecimentos". Na prática, mostrou material que já foi amplamente desmentido.


"Esses vídeos, todos eles estão disponíveis na internet. E por que nós fizemos questão de buscar nessa fonte? Porque é o povo. Essas pessoas não foram pagas para fazer isso, elas demonstraram interesse em ter uma democracia melhor, mais avançada, mais justa e transparente", declarou.


O material apresentado por Eduardo incluiu, por exemplo, vídeo antigo em que um programador dizia simular o código-fonte de uma urna eletrônica para, em seguida, mostrar supostas formas de fraudar o sistema.


O Fato ou Fake, serviço de checagem de fatos do grupo Globo, já mostrou que essas simulações de urna não correspondem à realidade. Veja nos links abaixo:


"Em termos de dispositivo de hardware, a urna é um computador. Porém, não é um computador comum de mercado, mas sim projetado conforme exigências estabelecidas pelo TSE para garantir a segurança de seu hardware", explica o Tribunal Superior Eleitoral, em nota.


A apresentação no Palácio da Alvorada recorreu a outro boato já desmentido por órgãos oficiais: o de que a "estabilidade" nas divulgações parciais da apuração dos votos em São Paulo, nas eleições municipais de 2020, seria um indício de fraude.


Como mostrou o Fato ou Fake, esta estabilidade é comum, se manteve praticamente ao longo de toda a apuração e já aconteceu em anos anteriores, inclusive em eleições maiores.


G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.