SOBRE O INCÊNDIO DO QUIOSQUE - Revista Camocim

Clique na imagem e fale com a gente

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Financiamento a partir de R$160 mil.Venha conversar com a gente. Clique na imagem.


Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quinta-feira, 16 de julho de 2015

SOBRE O INCÊNDIO DO QUIOSQUE

O que falta para implantar uma guarnição 
do Corpo de Bombeiros em Camocim?


Não foi a primeira vez que se registrou em Camocim a ocorrência de um incêndio. Há anos que a população vem se deparando com situações deste tipo. O episódio da noite de ontem, ocorrido com o quiosque da Praça da Rodoviária, apenas se repetiu, pois o mesmo, no dia 29 de junho de 2013, já havia incendiado e, provavelmente, pelo mesmo motivo, vazamento de gás. Quem já passou, presenciou e até mesmo colaborou com o apagar das chamas de um incêndio sabe que é uma ação que oferece riscos de vida e que, apesar do impulso solidário, da boa vontade das pessoas, para evitar tragédia maior, é preciso reconhecer a necessidade de se agir com técnica e profissionalismo, algo que nem todo mundo possui e que não se adquire facilmente "da noite pro dia". Graças a Deus que, obstante os danos materiais, a vida das pessoas tem sido protegida. Contudo, a reflexão não pode estagnar na dimensão da mera sorte, do "graças a Deus e ponto final", precisa ser mais profunda e tocar em alguns aspectos que perpassam pela prevenção e pela ação de socorro, sendo que, neste sentido, está mais do que evidente que a populosa cidade de Camocim já  passa da hora de ter uma equipe do Corpo de Bombeiros, sendo que esta necessidade é sentida de forma mais intensa sempre em situações como a de ontem. Em que, em meio a tensão, várias pessoas teciam comentários do tipo " quado será que os políticos vão criar vergonha na cara e trazer para Camocim uma equipe dos Bombeiros". Pois quando acontecem acidentes e tragedias de grande proporção, o Corpo de Bombeiros Militar mais próximo fica na cidade de Sobral, distante a mais de 100 quilômetros, e que atende parte da Região Norte. Ou seja, no incêndio de ontem, por exemplo, se a população fosse contar com os Bombeiros de Sobral, o quiosque, hoje, era apenas cinzas.

Na nossa ótica, o que falta é vontade politica dos que governam a prefeitura de Camocim. Primeiro por que consideramos que o atual governo municipal mantém um invejoso arco de aliança politica ( coisa que nem todo prefeito tem) e isso poderia resultar num diálogo eficiente visando a efetivação de um convênio com o Governo do Estado para a instalação de uma guarnição do Corpo de Bombeiros Militar em Camocim. Inclusive, é bom ressaltar que a sede já existe, e fica nas dependências do Aeroporto Pinto Martins, que por sua vez funciona, podemos dizer, precariamente, (como pode um aeroporto funcionar sem uma Guarnição dos Bombeiros? Que Deus o livre, em caso de acidente, como fica?)

Apenas para comparar, na cidade de Tianguá a prefeitura está lutando para fortalecer o convênio com o Estado que há anos mantém uma guarnição composta por apenas 03 Bombeiros Militare, que  apesar das dificuldades vem prestando relevante serviço em toda a região da Ibiapaba. 

No caso de Camocim, que não é menos merecedora do que Tianguá, e que  tem forte potencial turístico, com várias praias e um considerável fluxo de visitantes em épocas festivas  e  um horrível histórico de tragédias no trânsito e nas águas (afogamentos), é inconcebível imaginar que a ausência destes profissionais na cidade não seja tratada pela prefeitura como uma urgente prioridade de governo. Isso sem falar que os custos para o município não seria um exagero que não coubesse no orçamento da prefeitura, e mesmo que fosse, não se trata de desperdício, mas sim de necessidade, de investimento na vida da população, talvez mais importante que certas "besteiras" que fazem ir pelo ralo o dinheiro do povo. 

É bom lembrar que na cidade existe uma equipe de Bombeiros Civis, profissionais formados para atuar na prevenção e na proteção da sociedade em várias situações sinistras, mas que também, a exemplo de outros profissionais, não são utilizados pelo poder público, não tem recebido o devido valor e importância que merecem. Com isso, quem sai perdendo é a população, que fica refém do infortúnio e da inoperância dos políticos. 

Carlos Jardel