PROFESSOR LIBERTE-SE - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




sexta-feira, 7 de novembro de 2014

PROFESSOR LIBERTE-SE


Artigo do professor camocinense, Eudivan Lopes Teixeira

Lembrei-me daquela história do monge que foi picado por um escorpião e, este o tentou salvar de um afogamento. Isso não aconteceu por vingança ou por que o escorpião odiava o monge, mas por agir de acordo com sua natureza. Meditando nessa história pude entender e compreender visivelmente que a maioria das pessoas age conforme a sua natureza. Os que são vingativos irão sempre se vingar; os que são perseguidores irão sempre perseguir; os tristes irão viver sempre na tristeza se assim quiserem; os miseráveis nunca sairão da depressão íntima se não buscarem ajuda; os sonhadores, ah os sonhadores (eu me enquadro aqui) se não fizerem como “José do Egito” como é conhecido, permanecerão no seu buraco supérfluo, triste, escuro a espera de um pedaço de pão ou de compradores de escravos... E onde eu quero chegar com esta história toda? 

Pois bem, quero expressar aqui o meu eu como um ser humano e como professor. Vim de família humilde, fui criado por um homem mais humilde e simples ainda. Nunca tive regalias e nem muito menos berço de ouro, mas tive o necessário, o suficiente para crescer bem, educado e feliz. Meu pai me criou assim como meus quatro irmãos apenas com uma câmera, fotografando a maioria de vocês leitores quando criança e dos pais de vocês também. Orgulho-me sim do meu pai, seu Teixeira. Tive a oportunidade que muitos não tiveram de ser criado dentro de uma família estruturada e com suas desavenças também. Cresci estudando, trabalhando e não escondo isso, desde os nove anos de idade. Vendi picolé, dindin, coxinha na praia. Fui camelô na praça do mercado, trabalhei em lojas, varri chão, limpei privada, fiz café e servi aos meus patrões como qualquer bom empregado. Envergonho-me disso? Jamais. Foi aprendizado e experiência. 

Em 1997, recebi o convite do professor José Augusto de Carvalho Jr. para substituir a professora Sara Barros da 3ª série do Ensino Fundamental que estava de licença. Iniciei minha carreira como professor titular aos 17 anos. De lá pra cá recebeu outros convites para lecionar Língua Portuguesa, Religião, Arte e Relações Humanas. Ingressei na Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA, onde concluiu em 2002 o Curso. Sem condições de pagar, mas consegui. Não fui apadrinhado e nem financiado por ninguém. Mérito meu!!! 

No ano de 2003 fui convidado pelo Diretor da época, José Augusto de Carvalho Jr para assumir o Cargo de Professor Coordenador Pedagógico das Séries Iniciais na Escola de Ensino Fundamental General Antônio da Silva Campos. No ano de 2004 fui convidado para lecionar as disciplinas de Língua Portuguesa e Literatura na mesma escola que concluiu seu ensino médio, CEPA atual CEPI. Em janeiro de 2005 assumi o cargo de Coordenador Pedagógico ainda na Escola de Ensino Fundamental General Antônio da Silva Campos. Em junho de 2005 a junho de 2006 assumi a Coordenação Pedagógica na Escola de Ensino Fundamental Emília Pessoa Veras. 

Em julho 2006 fui convidado para assumir o cargo de Professor Formador em Linguagens e Códigos e Espanhol no Proinfantil e permaneci até junho de 2007. Ainda no ano de 2006 recebi o convite para assumir a Direção Geral da Escola de Ensino Fundamental Alba Maria de Araújo Lima Aguiar e que permaneceu até janeiro de 2011. Em julho de 2008, recebi novamente o convite da Coordenadora do Proinfantil para assumir o Cargo de Professor Formador de língua estrangeira (Espanhol) e, que no mesmo ano recebi o convite especial da Coordenadora do Programa do estado do Ceará para representar o estado numa formação em Goiânia. No ano de 2011 conclui minha especialização em Ciências da Educação e Gestão Escolar. Mérito meu também... não fui financiado e nem apadrinhado por ninguém aqui também!

No ano de 2011 recebi o convite pelo Secretário da Educação para gerenciar a Assessoria a Gestão Escolar do Município. Em 2010, 2011 e 2012 também a convite do Diretor Clayrton Lourenço, fui ministrar aulas na área de Linguagens (Espanhol) e como Diretor de Turma no LICEU de Camocim. No início de 2014 fui convidado para assumir o cargo de professor coordenador da área de linguagens no Liceu de Camocim e não pude assumir por conta da minha lotação. (sem nada de perseguição, pois isso é para os fortes!). 
Atualmente leciono na EEF Francisco Ottoni Coelho e em alguns Institutos de Educação Superior com muito orgulho!! Fala-se tanto em perseguições e isso e aquilo, ora fui impedido pelo segundo ano consecutivo de assumir a disciplina de língua espanhola na Escola Agrícola de Granja. Perseguido eu? Que nada, isso é apenas má interpretação. 

Meus caros sou PROFESSOR com muito orgulho! E aonde quer que eu vá continuarei sendo professor. Foi minha escolha e é minha formação. Ao contrário de muitos que exercem a função, mas que não estão satisfeitos com a mesma. Minha insatisfação muitas das vezes não é por minha profissão, mas pela desvalorização. Eu não me fiz professor, eu nasci professor e vou morrer professor! Sou professor porque professo e faço aquilo que acredito sem medo de sonhar e de errar... 
Não me curvo às impossibilidades calcificadas, aos erros, as mentiras imundas e aos faladores. 

Sou professor porque desejo e busco um mundo menos alienado, de pessoas que pensam e que fazem de cidadãos conscientes que promovam a vida ao invés de a destruírem. Sou professor porque acredito no ser humano e na sua infinita capacidade de aprender, de amar e de alcançar seus objetivos. Não quero obrigação naquilo que faço. Poderá doer muito. Quero amar o que faço porque a minha ação ninguém fará por mim. Sou professor porque tenho coragem. Coragem para desafiar limites, para acreditar naquilo que parece impossível. Coragem para derrubar as barreiras da ignorância, mesmo sabendo da crueldade com que são tratados aqueles que lutam e, principalmente, aqueles que lutam para devolver ao homem a sua dignidade perdida... Sou professor e não defendo quem está acima de mim, quem tem dinheiro. Defendo quem está abaixo e luto por meus direitos agindo com meus deveres... 

Eu, esperar o homem agir? Que nada, eu espero Deus agir, pois Ele age de acordo com nossas impossibilidades. O homem age com vingança, Deus age com justiça! 

Sou professor porque escolhi... Não sou neófito! 
Professor: Não seja inerte! Faça a diferença! 

LIBERTE-SE!!!

“Pra chegar onde eu cheguei, enfrentar o que enfrentei, não, não foi fácil, 
suportei desilusões,
e entre mil perseguições não vi saída...” 
(Sérgio Lopes)