TRANSPOSIÇÃO DO SÃO FRANCISCO - DESTRUIÇÃO E ABANDONO EM OBRAS DO CANAL EM MAURITI - Revista Camocim

Clique na imagem e fale com a gente

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Financiamento a partir de R$160 mil.Venha conversar com a gente. Clique na imagem.


Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




sábado, 12 de janeiro de 2013

TRANSPOSIÇÃO DO SÃO FRANCISCO - DESTRUIÇÃO E ABANDONO EM OBRAS DO CANAL EM MAURITI

"8,2 bilhões de reais somam o valor total do projeto da transposição. R$ 3,5 bilhões já foram investidos. O valor projetado em 2007 era de R$ 4,5 bilhões aproximadamente"

As marcas de um a visível deterioração do que já foi construído podem ser vistas em trechos entre os distritos de Palestina e Umburanas FOTO: ELIZÂNGELA SANTOS 


Mauriti Há quase um ano, a presidente Dilma Rousseff esteve em Palestina, distrito de Mauriti, estabelecendo o marco da retomada das obras do Canal do Rio São Francisco. Em fevereiro do ano passado, o canteiro de obras visitado pela presidente já contava com um quadro reduzido de operários. Hoje, o lote 6 está sem ninguém. As marcas de um visível abandono de um trecho entre os distritos de Palestina e Umburanas estão no caminho deserto, com retratos da seca pela estrada.
Animais mortos e água sendo transportada em carroças por quilômetros pelos moradores traçam o paradoxo de uma obra bilionária frente ao atraso milenar da estiagem no Nordeste.
Desde que foi iniciado em 2007, o canal estava com orçamento previstos para gastos em torno de R$ 4,5 bilhões. O Orçamento total da obra já chegou a R$ 8,2 bilhões e R$ 3,5 bilhões já foram investidos. Dos 16 lotes, sete estão em andamento e apenas um concluído. Foram realizadas rescisões parciais em alguns trechos e novas licitações serão lançadas até março de 2013, segundo a previsão do Ministério da Integração Nacional. Dois lotes estão com obras paralisadas e algumas delas já chegaram a ser advertidas e até multadas. Continue lendo a matéria AQUI no Diário do Nordeste

Carlos Jardel