NÚMERO DE DEMISSÕES BATE RECORDE EM 2012 - Revista Camocim

Clique na imagem e fale com a gente

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Financiamento a partir de R$160 mil.Venha conversar com a gente. Clique na imagem.


Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




sábado, 26 de janeiro de 2013

NÚMERO DE DEMISSÕES BATE RECORDE EM 2012



Geração de empregos no Brasil é a pior em três anos, diz Ministério do Trabalho 
Em 2012, 20.317.679 brasileiros perderam o emprego, de acordo com os dados Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados nesta sexta-feira (25), pelo Ministério do Trabalho, em Brasília. O número de demissões é o maior de toda a série histórica do levantamento, que começou em 1992.
De todos os trabalhadores que perderam o emprego, 7,5 milhões solicitaram o auxílio-desemprego – o que indica que foram demitidos pelos patrões.
Durante todo o ano de 2012, foram gerados 1.301.842 vagas de emprego em todo País, uma redução de 33% na comparação com 2011, quando foram abertos 1.944.560 postos de trabalho.
 Esse é o pior resultado dos últimos três anos. A criação de empregos foi pior somente em 2009, anos marcado pela crise econômica mundial.
O Ministério do Trabalho reconhece a redução no ritmo de crescimento de vagas formais de trabalho. O ministro Brizola Neto relativiza os dados, lembrando que mesmo sendo um resultado menor, ainda é positivo.
— Esse número decorre da crise internacional, houve um desaquecimento da economia no mundo inteiro. Mesmo assim, o Brasil conseguiu gerar um número positivo de emprego.
Para 2013, a expectativa do ministro é gerar cerca de dois milhões de novas vagas. Segundo ele, as medidas tomadas pelo governo, como redução de impostos e desoneração da folha, vão ajudar na criação de emprego.
Segundo o diretor do Departamento de Emprego e Salário, Rodolfo Pêres Torelly, , os corte na conta de luz, anunciados esta semana pela presidente Dilma Rousseff vão contribuir com esse objetivo.
— A redução drástica do preço da energia elétrica, não só para residências, mas também para as fábricas, vai influenciar na criação de empregos. Leia mais AQUI

Matéria publicada no portal R7

Carlos Jardel