AÇÕES DE COMBATE À DENGUE DESTE ANO NÃO SE INICIARAM - Revista Camocim

Clique na imagem para enviar o seu curriculum

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Financiamento a partir de R$160 mil.Venha conversar com a gente. Clique na imagem.


Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

AÇÕES DE COMBATE À DENGUE DESTE ANO NÃO SE INICIARAM


Por causa da mudança de gestão, o plano de ação não foi finalizado. O fato preocupa, já que as chuvas começaram
A pré-estação chuvosa - que abrange os meses de dezembro e janeiro - chegou. E com ela, a preocupação com a proliferação do mosquito da dengue, o Aedes aegypti. O problema é que, por causa do período de transição da gestão municipal, as ações de combate à dengue não começaram. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), as ações ainda estão sendo finalizadas. Dessa forma, Fortaleza, que vem de duas epidemias (2011 e 2012), corre o risco de sofrer nova epidemia de dengue.
Além do trabalho dos agentes, gestores alertam para a importância de cada um fazer a sua parte contra o mosquito, mantendo a caixa-d´água fechada, não deixando água acumulada sobre a laje e mantendo tampados os barris Foto: Alex Costa
No ano passado, foram notificados na Capital 38.989 casos da doença. Para este ano, a expectativa é de diminuição dos casos susceptíveis, uma vez que não é comum acontecer três anos seguidos de epidemia de dengue, como explica Manoel Fonsêca, coordenador de Promoção e Proteção à Saúde da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa). Porém, o gestor alerta que se não houver um controle rigoroso na Capital, a tendência é de que a doença se expanda também para a região metropolitana.
"É um sorotipo novo, então preocupa", destaca. Como as chuvas já começaram, o gestor afirma que o controle deve ser feito o mais rápido possível. Essas ações são fundamentais para evitarmos novas epidemias. A dengue é imprevisível, se não houver um controle maior, pode haver surto epidêmico em alguns bairros da cidade", previne Fonsêca. O gestor ressalta que, no ano passado, as ações retardaram a começar, o que prejudicou, principalmente porque entrou um novo sorotipo, tornando ainda mais difícil o combate.

Continue lendo a Matéria AQUI na fonte Diário do Nordeste .

DO REVISTA CAMOCIM

E em Camocim, quando é que os secretários vão se manifestar para a população anunciando os novos tempos?  Acho que já está na hora das pessoas ouvirem o pronunciamento contundente dos secretários . A saúde tem que dizer o que pretende fazer, a SEINFRA, a Cultura (????) O turismo, ou será que ainda  não deu tempo de se fazer um planejamento. Tem uma máxima na sociedade que diz, não existe melhor momento de se criar e mostrar toda  a sua potencialidade do que os momentos de crise". Se eles alegam dificuldades, que então mostrem competência e criem. Só não vale mais é choramingar culpando o passado,pois isso não cola. E o carnaval ?

Carlos Jardel