840 IDOSOS SÃO VITIMAS DE “SAIDINHAS” NOS BANCOS EM 2012 - Revista Camocim

Clique na imagem e fale com a gente

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Financiamento a partir de R$160 mil.Venha conversar com a gente. Clique na imagem.


Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

840 IDOSOS SÃO VITIMAS DE “SAIDINHAS” NOS BANCOS EM 2012

De acordo com a Associação de Aposentados e
Pensionistas de Fortaleza,
 há 160 mil pessoas com 60 anos
ou mais na Capital Foto: José Leomar
 

Conforme a Associação dos Aposentados, 15% dos seus membros foram vítimas desta violência em 2012
O aposentado Antônio de Farias, de 78 anos, passou um susto daqueles em dezembro do ano passado: foi assaltado assim que saiu de uma agência bancária no Montese. Atualmente, não vai até as lotéricas ou banco sem a companhia da filha. Ele foi um dos 840 idosos, na Capital, vítimas da chamada saidinha bancária em 2012.
Os dados são da Associação de Aposentados e Pensionistas de Fortaleza (Aapefort), que tem 5.600 membros - 15% dos quais foram assaltados, no ano passado, na hora de buscar o dinheiro. Por mês foram, em média, 70 pessoas de 60 anos ou mais vitimadas por esse tipo de ação de ladrões.
O presidente da entidade, Eduardo Lima, também chama atenção para o levantamento da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), realizado em 2012. Segundo o estudo, seis pessoas com mais de 60 anos foram mortas durante assaltos a bancos. "É preciso mais segurança para os idosos, até porque é a faixa da população mais frágil e, por isso, alvo fácil para os bandidos", afirma ele.
A questão foi tema de conversas nas rodas de idosos nas festividades que marcaram o Dia do Aposentado, em Fortaleza, ontem. Na avaliação de Eduardo Lima, com uma população de 160 mil pessoas com 60 anos ou mais, Fortaleza merecia ter mais cuidados com eles. "Alguns chegam na associação tremendo, indignados ou contando histórias incríveis, como foram abordados com facas, revólveres ou até com caco de vidro", diz. Leia mais AQUI

Matéria publicada no diário doNordeste

Carlos Jardel