Professores e técnicos do IFCE aceitam proposta do governo federal e greve pode acabar - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quinta-feira, 20 de junho de 2024

Professores e técnicos do IFCE aceitam proposta do governo federal e greve pode acabar



Professores e técnicos administrativos do Instituto Federal do Ceará (IFCE) realizaram assembleia nesta quarta-feira (19) e aceitaram as propostas do Governo, o que pode encerrar a greve. O posicionamento será informado ao Comando Nacional de Greve em uma plenária que ocorre entre esta sexta-feira (21) e sábado (22). 


A greve só será encerrada após a assinatura de um termo de acordo contendo todos os itens das propostas, entre o Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação (Sinasefe) e o governo federal.


"Somente após a assinatura deste documento e Assembleia específica para encerrar o movimento paredista, a greve será finalizada e a Reitoria do IFCE informada da decisão final", explica o Sindicato dos Servidores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (SINDSIFCE).


PROPOSTAS ACEITAS 


Mesmo com as propostas aceitas, o SINDSIFCE informou que a "intransigência do governo nas propostas econômicas foi alvo de falas fervorosas e indignadas".


Entre os pontos positivos estão a revogação da instrução normativa 983, que eleva a carga horária mínima semanal de docentes e a implementação do Reconhecimento de Saberes e Competências (RSC) para os Técnicos Administrativos em Educação (TAEs) em abril de 2026. 


O movimento grevista do IFCE começou no dia 11 de abril, após deliberação de servidores, docentes e técnicos no dia 5 de abril. 


"A greve do Sinasefe envolve docentes e TAEs dos Institutos Federais, Cefets e do Colégio Pedro II, dentre outras instituições, e tem como pauta a reposição salarial, a reestruturação das carreiras, a recomposição orçamentária das IFEs, a revogação do Novo Ensino Médio e de outras medidas contrárias ao serviço público", relembra o sindicato. 


Diário do Nordeste