Ceará lidera turismo internacional nas regiões Norte e Nordeste pelo segundo mês consecutivo - Revista Camocim

Clique na imagem e se inscreva no nosso canal


Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quarta-feira, 26 de junho de 2024

Ceará lidera turismo internacional nas regiões Norte e Nordeste pelo segundo mês consecutivo



Pelo segundo mês consecutivo, o Ceará foi o estado das regiões Norte e Nordeste que mais atraiu turistas internacionais em maio, conforme dados da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac) sobre turismo. O Aeroporto Internacional de Fortaleza movimentou 32.409 passageiros, superando os aeroportos de Salvador (24.958) e Recife (21.215).


De janeiro a maio, o fluxo de passageiros internacionais no Ceará cresceu 60,34% em comparação com o mesmo período do ano anterior. Em 2023, o número de passageiros foi de 99.270, enquanto neste ano já chegou a 159.167.


Yrwana Albuquerque, secretária do Turismo do Ceará, atribui esse resultado aos investimentos estratégicos do Governo do Ceará. “Esse resultado mostra a força do nosso estado no turismo internacional. Os investimentos assertivos, liderados pelo nosso governador Elmano de Freitas, têm apresentado efeitos positivos”, destacou Yrwana.


A perspectiva é que o fluxo de turistas internacionais no Ceará continue a crescer nos próximos meses. Na próxima quinta-feira (27), será inaugurado um novo voo para Orlando, e em outubro, a Air France adicionará mais duas frequências para Paris, totalizando cinco. Yrwana ressaltou também os incrementos já conquistados, como o aumento de voos semanais da TAP, de sete para nove, e de Miami, de quatro para cinco frequências. “É uma determinação do governador Elmano a internacionalização do turismo cearense e, para isso, temos conversado e mantido diálogo com as companhias buscando esse objetivo, assim como na malha aérea doméstica”, afirmou Yrwana.


GC+