Conselho Tutelar faz silêncio sobre o caso da criança com autismo agredida por um professor/diretor em escola de Camocim - Revista Camocim

Clique na imagem e se inscreva no nosso canal


Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quinta-feira, 23 de maio de 2024

Conselho Tutelar faz silêncio sobre o caso da criança com autismo agredida por um professor/diretor em escola de Camocim

Alfinetada


Até o momento, o CT - Conselho Tutelar de Camocim não se manifestou — quando deveria — sobre o caso que envolve um professor/diretor que agrediu uma criança com autismo na Escola Deputado Murilo Aguiar. A pergunta é: por quê?


Os conselheiros recebem mensalmente dois salários mínimos, fora as horas extras, para atuarem na proteção das crianças, assegurando que os direitos preconizados no Estatuto da Criança e do Adolescente prevaleçam.


O caso em questão repercutiu fortemente na cidade e região. O Conselho, o mais relevante instrumento em defesa das crianças, teria a obrigação moral de, pelo menos, demonstrar três linhas de solidariedade à criança e aos pais atípicos.


Até o momento, a senhora Rosane, mãe da criança agredida, não recebeu uma mísera ligação de algum conselheiro.


O silêncio do CT é negligente e configura-se como uma forma de “passar pano” para o agressor.


Carlos Jardel