Comunidades rurais rejeitam construção de cemitério na Flamenga do Major por riscos ambientais - Revista Camocim

Clique na imagem e se inscreva no nosso canal


Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




sábado, 25 de maio de 2024

Comunidades rurais rejeitam construção de cemitério na Flamenga do Major por riscos ambientais

 


Moradores da comunidade Flamenga do Major e adjacências, em Camocim, estão se posicionando contra a construção de um cemitério na localidade, empreendimento do grupo Funerário Plamovir. O principal questionamento envolve os potenciais prejuízos ambientais, como a poluição dos aquíferos subterrâneos e do solo da região.


Essas comunidades não dispõem de saneamento básico e se abastecem de poços artesianos, que podem ser ameaçados pela toxicidade do necrochorume e pela presença de microrganismos patogênicos produzidos no cemitério, impactando negativamente o meio ambiente e a saúde pública.


Na última quarta-feira, a Autarquia Municipal do Meio Ambiente promoveu uma audiência com representantes da empresa e das comunidades. Na ocasião, um técnico ambiental do grupo empresarial tentou convencer os moradores de que o empreendimento não apresenta riscos. No entanto, as famílias rejeitaram os argumentos e já estão se organizando para judicializar o caso, promovendo uma denúncia ao Ministério Público.


Carlos Jardel