Centro Cultural foi mais uma promessa não cumprida pela prefeita Betinha - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




segunda-feira, 13 de maio de 2024

Centro Cultural foi mais uma promessa não cumprida pela prefeita Betinha



Dentre as várias promessas da prefeita Betinha dos Aguiar, a construção do Centro de Cultura foi uma que não saiu e nem sairá do papel — aliás, tratando-se de cultura, a prefeita da oligarquia foi/é péssima! —. 


Após mais um dos nossos vídeos sobre as promessas não cumpridas, segue comentários de dois internautas.

 


Cometários


1 - “Outra Lei aprovada e se tornou 'lei para inglês ver', foi a lei de tombamento dos prédios históricos. Essa lei foi aprovada por todos os 15 vereadores, mas nesse governo simplesmente fez a lei desfalecer. O governo de prefeita historiadora, estou assistindo o abandono de nossa História. Triste, porém, a realidade...”


2 - “Outra promessa importantíssima não cumprida foi a criação do Conselho Municipal de Cultura, que até consta no plano de governo da prefeita, mas só pra figurar mesmo. Formado inteiramente pela classe artística, o conselho é assegurado por lei e tem como objetivo ajudar na formulação do Plano Municipal da Cultura, além de garantir a participação popular no planejamento, articulação e execução de toda e quaisquer políticas culturais realizadas em Camocim.


Enquanto isso, a Secult Camocim não divulga editais federais em suas redes sociais como o da Lei Paulo Gustavo, limitando a informação e o suporte a grupos de WhatsApp fechados apenas para seus pares, além da própria secretária da Cultura hostilizar e barrar o atendimento a trabalhadores do setor da economia criativa, como no meu caso, com ligações de ameaça e assédio moral.


Mas o Festival de Quadrilhas vem aí, com o perdão do trocadilho. Ou seja, pão e circo durante três dias pra esquecer ao longo do ano a dura realidade dessa cidade e depois ainda usar esse mesmo (é)vento como vitrine de entretenimento — pontual — em arte e cultura".