Advogado de Acusação Contradiz Delegado em Caso do Assassinato do Vereador César Veras - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quarta-feira, 15 de maio de 2024

Advogado de Acusação Contradiz Delegado em Caso do Assassinato do Vereador César Veras


O advogado Glaubeson Costa, assistente de acusação do Ministério Público no caso do assassinato do vereador César Veras, divergiu das declarações dadas ao Portal Metrópoles pelo delegado que investiga o crime.


“Ele [o garçom] pegou revolta pelas pessoas que frequentavam ali. Ele queria atingir o dono do estabelecimento e, para isso, atacou os frequentadores que mais tinham relação com ele [o proprietário do restaurante].


Não tinha nada de criminoso no celular, ligação política, nenhum sinal de mandante, nada”, disse Rocha. Contudo, algo específico chamou a atenção do delegado: no aparelho, o histórico da internet apontou que o assassino havia pesquisado muito sobre assédio moral no trabalho.


“Nós entendemos que o motivo não foi esse: uma possível desavença no local de trabalho. Ou seja, o César não trabalhava no local. Havia outras pessoas. César foi vítima de um homicídio doloso, friamente calculado, uma cena abjeta. O homicida queria sim. E, infelizmente, ceifou a vida do César.


“O motivo não foi esse (exposto na matéria do Jornal Metrópoles); nós apresentaremos ao Ministério Público provas que vão aprofundar as investigações”, disse o advogado


Carlos Jardel