Queijos artesanais do Ceará podem atingir grandes mercados do Brasil com certificação - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




sexta-feira, 19 de abril de 2024

Queijos artesanais do Ceará podem atingir grandes mercados do Brasil com certificação


Os queijos artesanais produzidos no Ceará podem conquistar grandes mercados se passarem pelo processo de certificação. Essa é a avaliação do superintendente do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) no Ceará, Augusto Júnior. 


O Mapa concedeu o primeiro Selo Arte, certificação que atesta a fiscalização de produtos de origem animal produzidos artesanalmente e permite a comercialização em todo o País, ao Ceará. A queijaria Dona Vita, de Limoeiro do Norte, agora tem os limites de venda ampliados.


Augusto Júnior afirma que um dos objetivos da superintendência é expandir essa certificação para outros produtores. “A regularização vai abrir um comércio fenomenal. Se a gente visitar os municípios do interior, como Quixadá e Jaguaribe, todos têm queijos com especialidades. O que falta é o produtor ter o conhecimento e ousar acreditar que pode ter esse selo”, afirma. 


O superintendente ressalta que os produtos cearenses têm capacidade para assumir destaque nacional, mas que a grande maioria ainda tem autorização limitada para comércio local.


“O Ceará produz 2 milhões de litros de leite por dia, uma parte é captada pela indústria e a outra vai para essas queijeiras informais. O estado tem tudo para assumir o protagonismo, nós temos excelentes queijos, mas não recebem o tratamento adequado”, aponta Augusto Júnior.


AUMENTO NAS VENDAS


Marcelo Guimarães, produtor responsável pela queijaria Dona Vita, espera um aumento de vendas significativo com a certificação do Selo Arte. A produção do queijo artesanal ocorre desde 2019 e envolve seis pessoas. 


“Esse selo é de fundamental importância. Como o nome já diz, é uma arte de fazer queijo artesanal maturado. Vamos tentar entrar em mercados a nível nacional, com essa diferenciação do artesanal, que não somos indústria de grande porte”, aponta o produtor.


Para obter o Selo Arte, os produtos artesanais devem ser estar cadastrados no Sistema Nacional de Cadastro de Serviços de Inspeção, Estabelecimentos e Produtos e comprovar que atendem às boas práticas agropecuárias. Além disso, o produtor deve elaborar memorial descritivo do processo de fabricação, controle de qualidade, armazenamento e transporte.


Diário do Nordeste