Grupo Aguiar chama mais contratados do programa "Bolsa Voto" zombando da Justiça e da Promotoria; - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quinta-feira, 4 de abril de 2024

Grupo Aguiar chama mais contratados do programa "Bolsa Voto" zombando da Justiça e da Promotoria;



A prefeita Betinha, a mando do casal Sérgio e Monica Aguiar, determinou que a Fundação de Cultura e Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extenção — FUNCEPE realizasse a terceira convocação do cadastro de reserva dos bolsitas do Programa Capacita +. Ao todo, de 700 aprovados, incluindo o cadastro de reserva, desde fevereiro deste ano, foram convocados 561 candidatos aprovados na seleção [19 de fevereiro foram 100, 06 de março 250 e 05 de abril 211].


Alfinetada


Na realidade esse programa ficou conhecido popularmente por ”Bolsa Voto”. Pois foi a maneira que o grupo Aguiar, que administra o mandato de prefeita professora Betinha, encontrou para tentar burlar a Constituição Federal e realizar contratos ilegais ao invés de Concurso Público. Em outras palavras, não são bolsistas, mas sim trabalhadores temporários, ou seja, a prefeita dos Aguiar está contratando os apadrinhados políticos para garantir votos nas eleições deste ano.  



Ora, veja bem: 4 anos da gestão Betinha e nos últimos seis meses inventam um chamamento público oferecendo 700 bolsas com valores que chegam até R$ 2.000,00. Então, pergunta-se: por que a gestão não realiza o concurso público? Por que retarda e entra na justiça em todas as instâncias contra? E por que para convocar até cadastro de reserva de “bolsista” é uma rapidez nunca vista?


 Alô Ministério, Público! 


Atenção promotores de Justiça de Camocim! Onde vocês estão? O abuso do poder político e econômico é gritante. Compra de votos oficiais com dinheiro público há seis meses da eleição nas barbas da Justiça e da Promotoria. 


Carlos Jardel