Polícia Federal deflagra operação para combater fraudes de servidores do INSS no Ceará - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quinta-feira, 21 de março de 2024

Polícia Federal deflagra operação para combater fraudes de servidores do INSS no Ceará

 


Em busca de combater fraudes no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), a Polícia Federal deflagrou na manha desta quinta-feira (21) a Operação GET FRAUD. O inquérito apura a atuação criminosa de servidores do INSS que estariam concedendo indevidamente benefícios previdenciários, em conluio com suposta organização criminosa. Ao todo, cinco mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos no Estado.


A investigação da PF aponta um prejuízo no valor de R$ 3 milhões, por ano. Até o momento, o prejuízo total é superior a R$ 15 milhões. O Núcleo Regional de Inteligência Previdenciária- NUINP/CE analisou os dados e calculou, com base na expectativa de vida dos segurados, que o prejuízo futuro pode chegar a R$ 56 milhões aos cofres públicos. As condutas dos investigados podem configurar o cometimento, em tese, dos crimes de organização criminosa, estelionato previdenciário, inserção de dados falsos no sistema informativo do INSS, entre outros, com penas que podem chegar a 30 anos de prisão.


As principais irregularidades constatadas pela PF:


  • Concessão de benefícios sem agendamento ou sem registro no sistema gerenciador de tarefas do INSS;
  • Inclusão ou transferências de tarefas de forma indevida no sistema GET;
  • Concessão de benefícios previdenciários já negados, sem qualquer razão que justificasse;
  • Concessão de benefícios sem requerimento ou agendamento pelos canais de atendimento ou com violação das normas da Previdência Social;
  • Antecipação de atendimentos ou concessão de pedidos sem a presença do segurado;
  • Inserção de informações falsas nos sistemas informatizados do INSS e homologação de informações extemporâneas no CNIS – CadastroNacional de Informações Sociais.


Opinião CE