Ação derruba cercas e placas de vendas ilegais de terrenos em Tatajuba - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024

Ação derruba cercas e placas de vendas ilegais de terrenos em Tatajuba


Aconteceu, em Tatajuba, em Camocim, na manhã desta terça-feira, 27, uma operação coordenada entre o Instituto de Desenvolvimento Agrário do Ceará (Idace), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Superintendência Estadual do Meio Ambiente e a Polícia Militar do Meio Ambiente (BPMA). A ação visava a derrubada de cercas e placas de comercialização de terrenos públicos na área.


A denúncia sobre a comercialização irregular chegou ao Idace na semana passada, desencadeando uma rápida resposta e articulação entre os órgãos públicos envolvidos. A articulação com o Ibama, através do superintendente do Ibama, Deodato Ramalho, que esteve junto da ação, além dos outros órgãos, começou logo em seguida à chegada da informação. “Essa foi uma operação para combater a especulação imobiliária na zona costeira e para conter os danos ambientais. Este é um problema comum em toda a zona costeira, com ocupações irregulares em dunas e manguezais, além da apropriação indevida de terras públicas”, declarou João Alfredo, superintendente do órgão.


Sob a chuva, as cercas caíam a marretadas por parte dos técnicos do Idace e do Ibama, sob a supervisão e vigília do corpo da Polícia Militar. “O problema em Tatajuba é muito maior do que o que enfrentamos hoje. São muitas áreas sob especulação, muitas. Todas as placas de ‘vende-se’ foram retiradas e estão conosco para servir como evidência em nossas denúncias. Foi uma amostragem do problema, considerando que seria necessária uma estrutura maior, incluindo tratores, para resolver toda a questão da especulação”, declarou o superintendente.


Ele disse, ainda, que “é fundamental que o Estado proteja as posses legítimas dos nativos, das comunidades tradicionais, dos trabalhadores e dos produtores locais. Não toleraremos especuladores e degradadores ambientais. Nosso objetivo é construir um projeto de desenvolvimento socioambiental e territorial para a área, em conjunto com a comunidade e com o apoio da UFC, visando um assentamento ambientalmente diferenciado e a criação de uma unidade de conservação como reserva de desenvolvimento sustentável”.


A ação conjunta demonstra o compromisso do Estado em proteger o meio ambiente e combater práticas ilegais que comprometem a sustentabilidade da região de Tatajuba e de outras áreas costeiras do Ceará.


Informações do Idace