Prefeito Betão envia para a Câmara projeto criando 120 "bolsas eleitorais" sem especificar valores - Revista Camocim

Clique na imagem e fale com a gente

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Financiamento a partir de R$160 mil.Venha conversar com a gente. Clique na imagem.


Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quinta-feira, 11 de janeiro de 2024

Prefeito Betão envia para a Câmara projeto criando 120 "bolsas eleitorais" sem especificar valores


O Prefeito de Martinópole, Betão do James Bel, enviou para a Câmara Municipal um Projeto de Lei que trata da criação de 120 bolsas — Bolsas ilegais, objetivamente criadas, burlando a Constituição Federal, que exige concurso público, para, como faz o governo Aguiar de Camocim, contratar apadrinhados políticos na prefeitura e na campanha eleitoral, em prol do candidato indicado por James Bel.


O Projeto, a propósito, só chega no município em anos eleitorais. Isso ocorreu em 2021, por conta da eleição suplementar e em 2022, na eleição para deputados. E o projeto só não se realizou em  2023 porque não foi ano eleitoral.


O projeto, para além da pretensão de angariar votos, também é um cheque em branco para o prefeito Betão, pois não diz qual o valor da bolsa. Também não especifica quais cursos serão ofertados, não apresenta um projeto pedagógico, não possue diretrizes e muito menos requisitos objetivos e impessoais para a concessão da tal bolsa.


É importante frisar que a prefeitura sequer tem conseguido pagar a folha de servidores, mantendo contratados com salários atrasados e também empresas fornecedoras.


Até a Caixa Econômica Federal estaria sem receber os valores relativos aos empréstimos consignados dos servidores, que deveriam ser descontados automaticamente pela gestão e repassada devidamente à instituição bancária, que estaria cobrando servidores e ameaçando negativá-los nos órgão nacional de proteção ao crédito.


 A informação também é de que o Município não estaria cumprindo com as obrigações junto ao INSS, no tocante à contribuição dos servidores. Ele estaria descontando dos trabalhadores municipais sem repassar ao órgão nacional.


Carlos Jardel