Após passeio de lancha, PF apreende celular de Carlos Bolsonaro - Revista Camocim

Clique na imagem e fale com a gente

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Financiamento a partir de R$160 mil.Venha conversar com a gente. Clique na imagem.


Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




segunda-feira, 29 de janeiro de 2024

Após passeio de lancha, PF apreende celular de Carlos Bolsonaro


Alvo de uma operação da Polícia Federal nesta segunda-feira (29), o vereador carioca Carlos Bolsonaro (Republicanos) teve seu telefone celular apreendido pelos investigadores após ter passado a manhã fora da residência onde está em Angra dos Reis (RJ).


A investigação apura se Carlos Bolsonaro recebia informações de um esquema de espionagem ilegal da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) sob a gestão de Alexandre Ramagem, durante o governo de Jair Bolsonaro.


Carlos deixou a residência no início da manhã para um passeio de lancha e jet ski com o seu pai, o ex-presidente Jair Bolsonaro, e outras pessoas. O advogado da família, Fábio Wajngarten, afirmou que eles saíram às 5h da manhã para pescar.


Os investigadores, entretanto, suspeitam que Carlos e os demais deixaram a residência para dificultar o cumprimento da busca e apreensão. A informação levantada pela PF é de que eles saíram para o passeio de lancha por volta das 6h30, quando a notícia sobre a busca e apreensão já seria de conhecimento de Carlos Bolsonaro.


Quando a equipe da PF chegou à residência de veraneio em Angra dos Reis, onde Carlos e Jair Bolsonaro estão hospedados, o vereador não estava presente no local. Por isso, os investigadores ficaram no local aguardando o retorno deles.


Apenas por volta das 12h a PF executou a busca, apreendendo o telefone celular de Carlos Bolsonaro. Também foram apreendidos três computadores no local.


A PF ainda encontrou aparelhos celulares na residência de Carlos no Rio, que também foi alvo de buscas. Investigadores não confirmaram que houve a apreensão de um computador da Abin nos endereços de Carlos durante a operação.


UOL