Concurso PMCE é suspenso pelo STF por limitar vagas para mulheres - Revista Camocim

Clique na imagem e fale com a gente

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Financiamento a partir de R$160 mil.Venha conversar com a gente. Clique na imagem.


Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




sexta-feira, 8 de dezembro de 2023

Concurso PMCE é suspenso pelo STF por limitar vagas para mulheres


O concurso para a Polícia Militar do Ceará (PMCE) foi suspenso pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). A decisão, expedida nessa quinta-feira (7), acatou uma solicitação da Procuradoria-Geral da República (PGR), que contestou a limitação do número de vagas ofertadas para candidatas mulheres. 


A medida é válida para seleção de soldados e segundos-tenentes da corporação.


Na manhã desta sexta (8), o Diário do Nordeste solicitou mais informações sobre o caso ao Governo do Estado e aguarda resposta.


A PGR pediu a suspensão do certame em função da restrição de 15% da participação de mulheres - percentual baseado na lei estadual número 16.826/2019. 


Na decisão, o ministro Alexandre de Moraes considerou a legislação, que restringe a participação do  gênero feminino em seleções, uma afronta à igualdade de gênero. O ministro defendeu que as candidatas devem concorrer na modalidade de ampla concorrência.


A desigualdade inconstitucional na lei se produz quando a norma distingue de forma não razoável ou arbitrária um tratamento específico a pessoas diversas. Para que as diferenciações normativas possam ser consideradas não discriminatórias, torna-se indispensável que exista uma justificativa objetiva e razoável."

ALEXANDRE DE MOARES

Ministro do STF


Na ocasião, conforme o portal do STF, Moraes ainda salientou que a suspensão cautelar se justifica porque, como os concursos estão em estágio avançado de andamento sem que tenha sido assegurada às mulheres a participação igualitária, sua finalização pode gerar prejuízos irreversíveis.


Diário do Nordeste