Prefeita Betinha zomba do MP e lança mais um edital para contratar 700 servidores temporários disfarçados de bolsitas - Revista Camocim

Clique na imagem e fale com a gente

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Financiamento a partir de R$160 mil.Venha conversar com a gente. Clique na imagem.


Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




terça-feira, 28 de novembro de 2023

Prefeita Betinha zomba do MP e lança mais um edital para contratar 700 servidores temporários disfarçados de bolsitas

Betinha dos Aguiar repete Monica, condenada com Sérgio em 2020 .



Veja o que diz as primeiras linhas do edital de credenciamento n.º 2023.11.002 da prefeitura de Camocim. Em seguida, nossas delicadas alfinetadas. 


“As Secretarias de Desenvolvimento Social e Cidadania, Educação, Saúde, Conservação e Serviços Públicos, Gestão Administrativa, Esporte e Juventude, Pesca, Agricultura, Recursos Hídricos e Meio Ambiente, Turismo e Desenvolvimento Econômico, Cultura, Segurança, Trânsito e Defesa Civil, Autarquia Municipal do Meio Ambiente, Procuradoria Municipal, Infraestrutura e Gabinete da Prefeita, por intermédio da Comissão de Seleção, torna público para conhecimento de quantos possam se interessar, que fará procedimento de chamamento público, objetivando a seleção de uma Organização da Sociedade Civil (OSC), interessada em celebrar TERMO DE COLABORAÇÃO, em conformidade com as disposições deste Edital e seus respectivos anexos”.  


Alfinetada


Conforme o anexo do edital [abaixo] a prefeitura de Camocim vai burlar a Constituição Federal, enrolar o Ministério Público Estadual, a Defensoria Pública e os concurseiros, contratando exatamente 700 pessoas na condição de bolsistas, ganhando até R$ 2000,00 [dois mil reais] no próximo ano [eleitoral] mediante um Termo de Colaboração com uma Organização da Sociedade Civil (OSC), a ser licitada. — Bom, na realidade quis dizer: a ser escolhida pela prefeita. 


Para ficar mais claro, as bolsas, na realidade, são os disfarces da contratação ilegal. É a formação do exército de contratados para trabalhar na campanha eleitoral do próximo ano, buscando eleger o candidato ou a candidata da oligarquia Aguiar, chefiada pelo deputado estadual Sérgio Aguiar. 


Só lembrando: Monica e Sérgio foram condenados pelo TRE  a pagarem multas, no ano 2020, por episódio idêntico nas eleições anteriores.


 Anexo






Carlos Jardel