Prefeita de Camocim e Secretária da Cultura escondem Edital Cultural da Lei Paulo Gustavo e prejudicam artistas e grupos culturais - Revista Camocim

Clique na imagem e se inscreva no nosso canal


Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quarta-feira, 13 de setembro de 2023

Prefeita de Camocim e Secretária da Cultura escondem Edital Cultural da Lei Paulo Gustavo e prejudicam artistas e grupos culturais


A prefeita de Camocim, Betinha dos Aguiar, e a secretária da Cultura, Uderlene Fernandes, esconderam dos artistas e grupos culturais o edital público para a seleção de projetos culturais a serem financiados pelo Governo Federal por meio da Lei Paulo Gustavo.


Veja o edital aqui 


R$ 165.808,80 é o valor destinado ao município de Camocim  para o investimento nas demais áreas culturais.


Conforme o Edital, qualquer agente cultural poderia se inscrever, sendo pessoas físicas ou jurídicas, com atuação no segmento cultural.


As inscrições ocorreram de 6 a 11 de setembro, praticamente de forma velada, escondida no esquecimento do feriado prolongado da independência, em um link sem destaque e sem visibilidade alguma, postado apenas no sit oficial da prefeitura. 


Prefeita e secretária não cumpriram o preceito da ampla publicidade e transparência pública, restringiram o edital público das redes sociais, da imprensa local e dos demais veículos de comunicação de Camocim, prejudicando a arte, os artistas e a cultura.


A não divulgação, claramente de forma proposital, só beneficiou grupos e artistas ligados politicamente ao governo municipal, haja vista que a informação ficou exclusivamente na mãos dos servidores do Gabinete da prefeita e da Cultura. 


Alfinetada 


É assim que a Oligarquia Aguiar trata os artistas e a cultura, com descaso, desrespeito, deboche...


O governo Aguiar não gosta de artistas! Lembra das decorações do festival junino e do carnaval?


Lembra do falecido NAEC com seus recitais e mostras culturais?


Lembra dos sepultados festivais de violeiros e de música? 


Lembra do Quarteirão da Alegria, criado na gestão Vaulino, que deveria ter sido aperfeiçoado ao invés de aniquilado!?


Preciso perguntar pelo teatro e pelo cinema? 


Quantos espaços culturais foram criados e mantidos pelo governo Betinha dos Aguiar? 


A não valorização da arte e da cultura é prova cabal de que a oligarquia Aguiar deseja continuar vendo o povo ignorante e  refém dos que detém o poder, para lhes servirem como marionetes.


Carlos Jardel