Camocim não atinge metas nacionais de vacinação e Ministério Público cobra Plano de Ação do Município - Revista Camocim

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quinta-feira, 1 de junho de 2023

Camocim não atinge metas nacionais de vacinação e Ministério Público cobra Plano de Ação do Município

Camocim integra grupo de 58 municípios cearenses com pelo menos 04 vacinas com cobertura abaixo de 80% das metas preconizadas. 




O Município Camocim, de acordo com dados do Programa Nacional de Imunização PNI - (sipni.datasus.gov.br – 16 de janeiro de 2022), não atingiu as metas preconizadas nas vacinas: Rotavírus Humano, Poliomielite(< 1 ano), Poliomielite(VOP/VIP)(1ºREF), Pneumocóccica(1 ano), Pentavalente (< 1 ano), Tríplice Viral - D2, Menigocócica Conj.C(< 1 ano), Varicela, Hepatite A, FA(< 1 ano), Pneumocóccica(<1 ano), Tríplice Viral – D1, Menigocócica Conj. C (1 ano), estando no grupo de 58 municípios cearenses com pelo menos 04 vacinas com cobertura abaixo de 80% das metas preconizadas. 


A informação foi divulgada pelo Ministério Público Estadual, por meio do promotor de Justiça, Rodrigo Calzavara, que recomendou ao município de Camocim e às secretarias municipais de Saúde, Educação e Assistência Social que adotem as providências necessárias para cumprirem integralmente a cobertura vacinal, segundo o Programa Nacional de Imunização – PNI.


O Promotor estipulou o prazo de 15 dias, para que a Secretaria da Saúde apresente um plano, visando o cumprimento da cobertura vacinal obrigatória segundo o Programa Nacional de Imunização (cobertura de 90% para a BCG e de 95% para as demais vacinas), com cronograma das ações que serão realizadas durante o ano de 2023. 


Confira as ações propostas pela Promotoria de Justiça


  • Articulem e realizem, com os setores de comunicação, educação, saúde, líderes religiosos e comunitários campanha local e engajamento da sociedade para cumprimento das metas de cobertura vacinal em todas as vacinas;

  • . Mobilizem os profissionais das unidades de saúde, inclusive quanto a necessidade de registro das doses aplicadas nos sistemas do MS e integre com as demais equipes;

  • Realizem parceria entre Secretaria de Saúde, Secretaria de Educação do Estado e do Município, Secretaria de Proteção Social e Direitos Humanos do Estado e do Município para que haja intensificação da conscientização e da vacinação no público atendido por estas secretarias;

  • Procedam a ampla divulgação sobre a importância da vacinação, principalmente entre as gestantes e futuros pais, além de utilizar a mídia local, incluindo rádios e outros meios (inclusive site do Município, repartições municipais, dentre outros, bem como campanha no comércio) para conscientizar a população em geral;

  • Implantem o sistema de registro nominal dos vacinados e monitoramento, mensal, dos indicadores para elaborar estratégias, identificar erros de registro, dentre outros, inclusive referente as doses aplicadas em maternidades, públicas e privadas, e clínicas de imunização;

  • Identifiquem os faltosos e realizem busca ativa de não vacinados com elaboração de tabela com lista e número de pessoas nessa situação e realização de visitas pelos agentes de saúde e articulação com Conselho Tutelar, CREAS e CRAS e outros órgãos quando necessário; 

  • Intensifiquem a vacinação de rotina, inclusive com estratégias diferentes, como horário estendido das salas de vacina, marcação da vacina, dia d da vacinação, tudo com ampla divulgação;

  • Desenvolvam, juntamente com a SESA, ações de capacitação para os profissionais de saúde (vacinadores, digitadores, ACS, enfermeiros, médicos etc);

  • Realizem ações extra-muros, possibilitando otimizar os imunobiológicos e outros insumos a partir de estratégias que oportunizem a vacinação do público alvo, tais como: realizar vacinação casa a casa ou locais e datas estratégicas;

Carlos Jardel