Chacina de Camocim: requerimento solicita transferência de policial civil para presídio militar - Revista Camocim

Se inscreva nosso canal no YouTube


Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quarta-feira, 17 de maio de 2023

Chacina de Camocim: requerimento solicita transferência de policial civil para presídio militar



O policial civil Antônio Alves Dourado, acusado de ser o autor da chacina de Camocim, no Ceará, que deixou três escrivães e um inspetor mortos, estava preso na Penitenciária Industrial de Sobral. A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) confirmou oficialmente apenas que ele está no sistema penitenciário. No processo há requerimento para que ele fosse encaminhado para o Presídio Militar.


Os escrivães Antonio Claudio dos Santos, Antonio Jose Rodrigues Miranda e Francisco dos Santos Pereira e o inspetor Gabriel de Souza Ferreira foram mortos no crime ocorrido no último domingo, 14. 


No processo do policial, referente aos quatro homicídios dos colegas dentro da Delegacia Regional de Camocim, há um requerimento para que ele seja transferido da Penitenciária Industrial de Sobral para o Presídio Militar para a continuação do tratamento psiquiátrico, no entanto, a SAP informou que ele segue no sistema penitenciário.


No documento consta que a Penitenciária de Sobral não dispõe de estrutura apropriada para o acompanhamento psiquiátrico. No processo consta ainda que foram encaminhadas as armas e solicitação de exames para verificar se o policial havia feito uso de substâncias como álcool e drogas.


Ao tentar contato com o Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE)  sobre a decisão da Justiça a respeito da transferência do preso, a informação recebida é que o caso está em segredo de Justiça.


Inspetor procurou atendimento psicológico em 2022 após presenciar homicídio
  

Para que o inspetor Dourado fosse transferido, houve a anexação da situação dele de saúde psiquiátrica, no processo. Os tratamentos iniciaram em 2022, após ele ter procurado atendimento psicológico depois de ter presenciado um homicídio. Foi anexado um documento com determinação de "Urgente" da Secretaria de Saúde de Camocim relatando a alegação do policial, de ter presenciado um homicídio e que depois disso teve crises de ansiedade, insônia e pânico.


O documento solicitava avaliação e conduta de especialista. Receitas com medicação de uso controlado e um laudo psicológico constando transtorno de ansiedade e depressão. Além disso documento datado do dia 11 maio de 2023 solicitava o afastamento do profissional da segurança das atividades por 15 dias.


No laudo psicológico anexado ao processo há descrição de que havia queixas de sofrimentos obtidos por companheiros de trabalho e que a partir de vários acontecimentos, ele teve o desenvolvimento psicológico comprometido. Conforme o laudo, o policial civil sofria de tremores, nervosismo, mãos e pés gelados, taquicardia, insônia, isolamento, pensamentos suicidas, entre outros.   


O POVO