Polícia Federal cumpre 60 mandados em operação contra pesca ilegal de lagosta no Ceará - Revista Camocim

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel.

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel.
Clique na imagem para mais informações

Clique na imagem para falar com um atendente


Clique na imagem para obter mais informações



Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional




quarta-feira, 1 de março de 2023

Polícia Federal cumpre 60 mandados em operação contra pesca ilegal de lagosta no Ceará


Para combater crimes ambientais que envolvem pesca e comercialização ilícitas de lagostas no Ceará, a Polícia Federal cumpriu — na manhã desta quarta-feira (1º) — 60 mandados de busca e apreensão no Ceará, Rio Grande do Norte e Bahia.


A 15ª Vara da Justiça Federal expediu documento direcionado a endereços em Fortaleza (CE), Eusébio (CE), Aracati (CE), Fortim (CE), Icapuí (CE), Porto do Mangue (RN) e Alcobaça (BA).


A operação é deflagrada com participação de 230 policiais federais e se desenvolve em parceria com o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama).


FISCALIZAÇÃO ENCONTROU MAIS DE 200 TONELADAS DE LAGOSTA DE PESCA ILEGAL


A fiscalização em conjunto identificou mais de 249 toneladas de lagosta com indícios de serem provenientes de pesca ilegal no Ceará.


A investigação da PF apontou indícios de esquema criminoso de pesca ilegal de lagosta em praias dos municípios de Aracati, Fortim e Icapuí, no Ceará, envolvendo pescadores, atravessadores e empresas, com indícios de falsidades documentais para que o produto da pesca ilegal fosse formalmente inserido no mercado nacional e internacional.


CRIMES


As condutas dos investigados podem configurar o cometimento, em tese, dos crimes de pesca ilegal; obstrução a ação fiscalizadora ambiental; falsidade ideológica; receptação qualificada; associação criminosa e lavagem de dinheiro.


O nome da operação remete ao grupo biológico das lagostas. Conforme a PF, as penas podem somar até 34 anos de prisão, sem prejuízo da descoberta de outros crimes mais graves praticados no material apreendido.


As investigações irão continuar com análise do material apreendido e fluxo financeiro dos suspeitos.


Diário do Nordeste