Mãe escolhe nome inédito no Brasil e precisa de autorização do cartório para registrar filha - Revista Camocim

Colégio Marujo, 15 anos! Na rota da educação!

Colégio Marujo, 15 anos! Na rota da educação!
Clique na imagem

Contato: (88)9 9937-1998

Contato: (88)9 9937-1998

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







sexta-feira, 6 de janeiro de 2023

Mãe escolhe nome inédito no Brasil e precisa de autorização do cartório para registrar filha



A advogada Daniele Pereira Brandão Xavier, de 40 anos, teve que solicitar uma autorização do cartório, na cidade de São Paulo, para registrar a própria filha como Amayomi. A medida foi necessária devido ao fato de o nome nunca ter sido escolhido antes no Brasil.


"Saber que minha bebê é a primeira e única é algo bem diferente. Vivemos em um estado em que os nomes dos bebês são registrados de acordo com uma moda, seguindo uma lista de nomes do ano", comentou a mãe.


“Daqui algum tempo vai existir outras Amayomi no País, e a primeira foi minha filha no ano de 2022. Para mim, é histórico e vou fazer questão de contar para ela”, completou em entrevista à revista Crescer, publicada nessa quinta-feira (5).


A jurista detalhou que ao comunicar a escolha para a funcionária do estabelecimento, localizado na maternidade onde deu à luz a bebê, foi informada que não havia registro do nome no País. Devido ao ineditismo, a colaboradora teve que pedir autorização ao cartório central para seguir com o processo. 


Após uma hora, a solicitação foi aprovada e a mãe pode registrar a criança, que nasceu em outubro de 2022. A liberação empolgou até os demais trabalhadores do local. 


[A escolha] passa por uma avaliação para verificar se não trata de um nome de difícil pronúncia ou vexatório passível de futura ação judicial para alteração do nome, após chegaram à conclusão que não seria o caso, então houve a autorização e alegria veio para todos por ser um marco, algo histórico para o cartório."

A preferência por nomes diferentes não começou com a filha mais nova. A outra herdeira de Daniele Pereira, de 6 anos, tem o mesmo nome de batismo da madre Paulina: Amábile Lúcia. A harmonia sonora entre a escolha para a mais velha e a caçula foi o que motivou a preferência por Amayomi.


“Um dia eu estava conversando com minha irmã Kelly, que é professora, conversamos a respeito do nome, e fizemos algumas pesquisas e vimos que existia o nome Amayomi. Achei super parecido com o nome da mais velha, Amabile e Amayomi, então decidi naquele momento que seria Amayomi”, disse à Crescer.


Além das duas, ela ainda tem outro filho, chamado Davi, de 20 anos. A gravidez da mais nova não estava nos planos da advogada. “Descobri a gestação no momento que soube que iria ser avó da Laurinha, filha do meu filho Davi”, detalhou.


Apesar da surpresa inicial, Amayomi nasceu no mesmo período em que o pai de Daniele Pereira faleceu e se tornou um presente ainda mais especial. “Agradeço a ela todos os dias por ser um anjo enviado por Deus para diminuir essa dor.” 


Diário do Nordeste