Polícia Federal cumpre mandados contra bolsonaristas suspeitos de atos pelo País - Revista Camocim

Clique na imagem e se inscreva no nosso canal


Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas


Clique na imagem e fale com a gente

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva




quinta-feira, 15 de dezembro de 2022

Polícia Federal cumpre mandados contra bolsonaristas suspeitos de atos pelo País



A Polícia Federal (PF) cumpre 81 mandados de busca e apreensão contra bolsonaristas suspeitos de envolvimento em manifestações pelo País.


A operação, na manhã desta quinta-feira (15), foi autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e integra investigação sobre os atos que questionam o resultado das eleições. As informações são do g1 e da Folha de S. Paulo.


Os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) alvo da PF são suspeitos de participação nos atos em frente a quartéis e em bloqueios de rodovias.


As buscas, que envolvem pessoas físicas e jurídicas, são feitas nos seguintes estados: Acre, Amazonas, Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Paraná e Santa Catarina. Os nomes dos suspeitos não foram divulgados.


AÇÕES CONTRA BOLSONARISTAS


Após os atos se espalharem pelo País com a derrota de Bolsonaro nas urnas, o Supremo determinou o desbloqueio de rodovias que foram tomadas pelos apoiadores do presidente. Além disso, a Corte máxima impôs multa aos veículos identificados como participantes dos atos - e ainda determinou que as Polícias e Ministério Público investiguem supostos líderes e financiadores das ações.


As ações levaram à abertura, no Supremo, de uma apuração "em razão da ocorrência, após a proclamação do resultado das Eleições Gerais de 2022 pelo Tribunal Superior Eleitoral, de diversos atos antidemocráticos, nos quais grupos de caminhoneiros, insatisfeitos com o resultado do pleito, passaram a bloquear o tráfego em diversas rodovias do País, em modus operandi semelhante ao verificado nos Feriados da Independência de 2021 e 2022".


Em novembro, o ministro Alexandre de Moraes determinou o bloqueio das contas bancárias de 43 pessoas físicas e jurídicas suspeitas de envolvimento nas manifestações realizadas no País contra o resultado das eleições.


Nesta quarta-feira (14), Moraes deu 48 horas para que o ministro da Justiça, Anderson Torres, e o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), expliquem as medidas adotadas contra os atos de vandalismo realizados por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) em Brasília, na última segunda-feira (12).


Diário do Nordeste