Joe Aguiar: aprovar cobrança do IPTU neste momento é imoral e desumano. É um crime! - Revista Camocim

Colégio Marujo, 15 anos! Na rota da educação!

Colégio Marujo, 15 anos! Na rota da educação!
Clique na imagem

Contato: (88)9 9937-1998

Contato: (88)9 9937-1998

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







sexta-feira, 23 de dezembro de 2022

Joe Aguiar: aprovar cobrança do IPTU neste momento é imoral e desumano. É um crime!

Apenas a vereadora Bruna Aguiar votou contra a cobrança do imposto. 



Depois de desejar feliz Natal com o atraso do salário dos servidores,  o prefeito do município de Martinópole, Betão do James Bel, resolveu presentear a população colocando a mão no bolso dos contribuintes através da Lei N°25 que institui o Imposto Sobre Propriedade Predial- IPTU, que passará a ser cobrado logo no primeiro mês do novo ano, ou seja, em Janeiro de 2023.


O "presente", que na realidade é uma cobrança, chegará aos martinopolenses graças aos 08 vereadores que apreciaram e votaram aprovando a Lei, por um placar de 8×1. Apenas a vereadora Bruna Aguiar, da oposição,votou contra.


"O imposto foi apresentado e votado na Câmara no momento mais inoportuno possível, de crise econômica no país e principalmente no nosso município, onde a economia local sofre com a falta de estímulos econômicos da gestão municipal, que  chegou ao absurdo de atrasar o salário dos servidores, desarticulando a vida financeira de várias famílias, agravando a crise", disse a vereadora em contato com o blog.


"Faço oposição com responsabilidade, sempre fiz, por isso votei contra, considerando, neste momento,  ser imoral e desrespeitosa com a população essa medida do governo. A matéria poderia ser discutida e melhor avaliada, quem sabe, noutro momento,  e  não agora, na festa de Natal e de final  de ano, em que as famílias sofridas da nossa cidade esperam boas notícias e não mais cobranças. É frustrante isso tudo", concluiu a vereadora. 


O esposo de Bruna,  liderança política de Martinópole, Joe Aguiar, também se manifestou contra a aprovação da cobrança do imposto. 


"Por mais que digam que a cobrança é legal e constitucional, nao deixa de ser imoral! Porque sobrecarrega os martinopolenses, que são pessoas humildes e de poucos recursos. É uma atitude desumana e impiedosa, pois estamos com o país em recessão econômica, numa situação precária, saindo de uma pandemia de Covid avassaladora", enfatizou Joe, considerando ser 'um crime coletivo' praticado contra a população, pelo prefeito Betão do James Bel. 


Carlos Jardel