Servidores do TSE farão checagem de notícias falsas pelo WhatsApp; veja como - Revista Camocim

Ligue agora (88) 9 9930 6239 ou clique na imagem para falar com a corretora

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e conheça nossos produtos e ofertas

Clique na imagem e fale com o corretor

Financiamento a partir de R$160 mil.Venha conversar com a gente. Clique na imagem.


Clique na imagem e faça seu pedido

Em Camocim, hospede-se nos hotéis Ilha Park e Ilha Praia Hotel. Clique na imagem e faça sua reserva

Clique na imagem para falar com um atendente

Clique na imagem para atendimento com o corretor





segunda-feira, 10 de outubro de 2022

Servidores do TSE farão checagem de notícias falsas pelo WhatsApp; veja como



Conteúdos de procedência duvidosa que circulam nas redes sociais que ainda não foram checados por agências especializadas, agora poderão ser enviados ao serviço Tira-Dúvidas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no Whatsapp. 


As informações serão encaminhadas para o grupo de checadores e os usuários serão notificados diretamente pelo chatbot, no celular. "Tudo bem rápido e simples", assegura a assessoria de imprensa do TSE.


A ferramenta de consulta de informações está no topo do menu das opções do assistente virtual do tribunal, visando garantir que os eleitores possam verificar de forma rápida e prática uma informação.


COMO FUNCIONA


Para saber se uma mensagem recebida é fato ou boato via, a pessoa interessada deve acessar o menu “Consulta de Informações” e enviar o assunto (texto, imagem, áudio, vídeo ou ‘link’) para receber imediatamente conteúdos verificados.


Do celular, a pessoa deve adicionar o telefone +55 61 9637-1078 à sua lista de contatos do ‘WhatsApp’ ou clicar no link. Em seguida, é só mandar uma mensagem para o Tira-Dúvidas e iniciar a conversa.


DENÚNCIAS


Se o eleitor receber alguma notícia falsa, ele pode denunciar pelo Sistema de Alerta de Desinformação, criado pelo TSE e em funcionamento desde junho de 2022.


É possível também denunciar números de telefone suspeito de disparo de mensagens em massa.


As denúncias são repassadas às plataformas digitais parceiras do TSE no Programa de Enfrentamento à Desinformação, para avaliação se elas representam violações a seus termos de serviço.


Diário do Nordeste