Servidores do TSE farão checagem de notícias falsas pelo WhatsApp; veja como - Revista Camocim

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Super promoção "Matrícula Premiada" do Colégio Future.

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Colégio Future com matrículas abertas para 2023

Clique na imagem e conheça os cursos preparatórios e apoio educacional


Clique na imagem e conheça os produtos







segunda-feira, 10 de outubro de 2022

Servidores do TSE farão checagem de notícias falsas pelo WhatsApp; veja como



Conteúdos de procedência duvidosa que circulam nas redes sociais que ainda não foram checados por agências especializadas, agora poderão ser enviados ao serviço Tira-Dúvidas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no Whatsapp. 


As informações serão encaminhadas para o grupo de checadores e os usuários serão notificados diretamente pelo chatbot, no celular. "Tudo bem rápido e simples", assegura a assessoria de imprensa do TSE.


A ferramenta de consulta de informações está no topo do menu das opções do assistente virtual do tribunal, visando garantir que os eleitores possam verificar de forma rápida e prática uma informação.


COMO FUNCIONA


Para saber se uma mensagem recebida é fato ou boato via, a pessoa interessada deve acessar o menu “Consulta de Informações” e enviar o assunto (texto, imagem, áudio, vídeo ou ‘link’) para receber imediatamente conteúdos verificados.


Do celular, a pessoa deve adicionar o telefone +55 61 9637-1078 à sua lista de contatos do ‘WhatsApp’ ou clicar no link. Em seguida, é só mandar uma mensagem para o Tira-Dúvidas e iniciar a conversa.


DENÚNCIAS


Se o eleitor receber alguma notícia falsa, ele pode denunciar pelo Sistema de Alerta de Desinformação, criado pelo TSE e em funcionamento desde junho de 2022.


É possível também denunciar números de telefone suspeito de disparo de mensagens em massa.


As denúncias são repassadas às plataformas digitais parceiras do TSE no Programa de Enfrentamento à Desinformação, para avaliação se elas representam violações a seus termos de serviço.


Diário do Nordeste